Jorge Palma – O Lado Errado da Noite (1985)

Fala-se muito da perfeição de O Bairro do Amor mas esquece-se, demasiadas vezes, da outra obra-prima de Jorge Palma. Sejam então bem-vindos a’O Lado Errado da Noite.

6,5/10
Drake – Honestly, Nevermind (2022)

Seria de esperar que quem vibrou com temas como “Hold On, We’re Going Home”, “One…

Wings – Wild Life (1971)

Wild Life soa exactamente ao que pretendeu ser: um conjunto de canções honestas, despretensiosas, e divertidas. Os anos 70 estavam a começar a descolar e Paul estava pronto para embarcar.

Carlos Paredes – Guitarra Portuguesa (1967)

O primeiro álbum de Carlos Paredes, Guitarra Portuguesa, disputa a condição de obra maior com o tomo seguinte, Movimento Perpétuo. Há um argumento forte para o primeiro ganhar o braço-de-ferro. Chama-se “Canção Verdes Anos”.

8.5/10
Tim Bernardes – Mil Coisas Invisíveis (2022)

Ao fim de cinco anos, Tim Bernardes decidiu recomeçar mais uma vez. O recente Mil Coisas…

6/10
Placebo – Never Let Me Go (2022)

O que têm os Placebo, referência do mundo alternativo dos anos 1990, a oferecer em…

Creedence Clearwater Revival – Mardi Gras (1972)

O sétimo e último disco da carreira dos Creedence Clearwater Revival, Mardi Gras, é o espelho de uma banda batida e desintegrada. Com a saída de Tom Fogerty, estava claro que a banda não tinha pernas para continuar.

7/10
Baleia Piloto – Corta Vento (2022)

A estreia dos Baleia Piloto, Corta Vento, é um disco perfeito para o Verão: pop fresca e soalheira, como um calipo de limão.

Creedence Clearwater Revival – Cosmo’s Factory (1970)

E eis que a obra-prima surgiu à quinta tentativa! Cosmo’s Factory vendeu mais de quatro milhões de cópias e continua a fazer a sua carreira de forma imparável. É mesmo um disco de exceção!

Creedence Clearwater Revival – Willy and The Poor Boys (1969)

O quarto tomo dos Creedence Clearwater Revival, Willy and the Poor Boys, é o seu álbum mais coeso, conciliando os singles esmagadores do costume com um todo particularmente inspirado.

Creedence Clearwater Revival – Green River (1969)

Green River, terceiro disco dos Creedence Clearwater Revival, representa a completa evolução da banda em relação ao seu som típico. Estava criada a fórmula vencedora.

Creedence Clearwater Revival – Bayou Country (1969)

A casa do portento “Proud Mary” dá aos Creedence Clearwater Revival o primeiro grande sucesso de uma carreira que já durava há dez anos.

Creedence Clearwater Revival – Creedence Clearwater Revival (1968)

Lançado em 1968, um ano após o famoso Verão do Amor, mas ainda na cena do peace and love, o álbum homónimo de estreia dos Creedence Clearwater Revival é uma bela obra em contraciclo com os tempos que se viviam, dando voz ao amor de John Fogerty pela tradição americana.

Asimov – Dialects – Stenar Musik (2022)

O regresso dos Asimov é generoso, oferecendo-nos dois belos discos de uma só assentada, reunidos num CD duplo: Dialects e Stenar Musik, o último coligindo raridades dispersas.

8.5/10
The Smile – A Light for Attracting Attention (2022)

O pior que se pode dizer sobre A Light for Attracting Attention é que podia…

7/10
Beach House – Once Twice Melody (2022)

Longe, muito longe, de ser um falhanço, Once Twice Melody não encontra os Beach House…

7.5/10
Warpaint – Radiate Like This (2022)

Da Califórnia para o Mundo, as Warpaint continuam em 2022 uma banda difícil de catalogar. Os méritos, felizmente, continuam cá todos – alguns até aperfeiçoados. Radiate Like This é o quarto disco desta invulgar e muito prazerosa banda.

6/10
Courtney Barnett – Things Take Time, Take Time (2021)

O mais recente álbum de Courtney Barnett serve de abraço aos amigos, de aconchego aos…