6/10
Courtney Barnett – Things Take Time, Take Time (2021)

O mais recente álbum de Courtney Barnett serve de abraço aos amigos, de aconchego aos…

Kate Bush – The Kick Inside (1978)

A estreia de Kate Bush no mundo da música deu-se de forma inesperada e bela.…

7/10
serge fritz – gandulo (2022)

serge fritz é um projeto novo, tão a estrear que ainda temos de tirar o plástico envolvente. Mas já sai crescido, composto e recomenda-se.

George Russell – Jazz In the Space Age (1960)

George Russell foi um músico de mão cheia. Para além desse facto, inovou como poucos…

7.5/10
Fumo Ninja – Olhos de Cetim (2022)

Mais um belo projecto fruto de pandemia, Olhos de Cetim é a estreia dos Fumo…

9/10
Kendrick Lamar – Mr. Morale & the Big Steppers (2022)

Kendrick Lamar não quer mais a coroa de salvador. No seu novo disco desvenda-nos os demónios que combateu nos últimos anos e permite-nos participar na sua catarse.

8/10
Fontaines D.C. – Skinty Fia (2022)

Ao terceiro disco a banda irlandesa parece ter encontrado o seu ponto de equilíbrio –…

José Mário Branco – FMI (1982)

O Maxi single de José Mário Branco, FMI, é um disco muito especial: sincero, vulnerável e profundamente humano.

7/10
Belle and Sebastian – A Bit of Previous (2022)

O novo disco dos Belle and Sebastian pode não ser o melhor da sua discografia. No entanto, A Bit of Previous traz boas canções, bons arranjos, boas letras. Que voltem sempre, e bem.

7.5/10
Esteves – O Alpinista (2022)

Depois de, em 2019, nos ter brindado com o seu primeiro disco a solo, Tiago Esteves ainda tem algo para dizer na música.

9/10
Arcade Fire – WE (2022)

Os Arcade Fire regressam na sua melhor forma, com um disco que soa indubitavelmente a…

7/10
Wet Leg – Wet Leg (2022)

Com este disco homónimo, as Wet Leg marcam um regresso bem-disposto ao indie rock, entre o irónico e o despretensioso. Um trabalho muito bem conseguido.

Arto Lindsay – Mundo Civilizado (1997)

Mundo Civilizado é um disco totalmente sedutor. Um toque de bossa, um cheirinho a eletrónica, uma pitada de art pop jazzístico, boas canções, e está feita a festa!

Sun Ra – Lanquidity (1978)

Um disco de Sun Ra é sempre um acontecimento, e com as recentes edições de Lanquidity, volta a acontecer magia!

7/10
Eiko Ishibashi – Drive My Car Original Soundtrack

A banda sonora de Drive My Car mostra-nos que alguns filmes se veem com os ouvidos. 

Otto – Samba Pra Burro (1998)

Quase a fazer um quarto de século, Samba Pra Burro é um álbum que merece…

6/10
Bloc Party – Alpha Games (2022)

O primeiro trabalho de estúdio dos Bloc Party em sete anos é um regresso ao indie-rock que tão bem sabem fazer, com ecos do início dos anos 2000.

Genesis – Selling England By The Pound (1973)

Selling England By The Pound é um marco da história do rock progressivo. Um autêntico clássico absoluto, por isso resolvemos voltar a ele com toda a pompa e circunstância que merece. E em boa hora o fizemos!