Tiago Freire
406 Articles3 Comentários

O autor deste texto tem 39 anos mas um corpinho de 35. É jornalista há mais de 15 anos. É colaborador de vários blogs e parvoíces afins e já escreveu para a Blitz e para a FHM. Nasceu e cresceu em Carcavelos, fazendo aí o mestrado musical enquanto todos os seus amigos andavam de skate ou faziam surf. Hoje em dia, divide o seu tempo entre as notícias de Economia e a educação dos seus três filhos, enquanto o mundo não percebe que ele é o maior escritor vivo do planeta, coisa que terá inevitavelmente de acontecer. Na próxima encarnação desejaria ser uma mistura entre o Serge Gainsbourg e o Pablo Aimar.

Crosby, Stills & Nash – Crosby, Stills & Nash (1969)

O feliz e frutoso casamento da folk e do rock tem no disco de estreia dos Crosby, Stills & Nash um dos seus momentos mais altos

Santana – Santana (1969)

O disco de estreia de Santana é um caldeirão fervilhante feito de rock, ritmos latinos, improviso e psicadelismo.

Durand Jones & The Indications – American Love Call (2019)

Ao segundo disco de Durand Jones & The Indications, mergulhamos de cabeça nesta viagem à deliciosa soul negra dos anos 70, questionando para onde foi o amor na América de Trump

Zarco – Spazutempo (2019)

O disco de estreia dos portugueses Zarco é um caldeirão de rock onde Fausto e José Mário Branco se encontram com Frank Zappa, num dos trabalhos nacionais mais interessantes de 2019

Altamont chega ao formato podcast

Neste primeiro capítulo, entre outros assuntos, revisitamos a história do nosso site e do evento que lhe deu nome, o festival Altamont, irmão-gémeo de Woodstock e que está quase a comemorar o seu 50º aniversário.

Violent Femmes – Hotel Last Resort (2019)

Hotel Last Resort é um disco que os fãs de sempre podem espreitar à confiança, para matar saudades. Mas tem pouca utilidade em qualquer outra circunstância.

Mike Patton & Jean-Claude Vannier – Corpse Flower (2019)

Um disco no qual podemos viver vários meses, que se vai revelando a cada audição e pedindo regresso e novas descobertas.

Anoushka Shankar – Reflections (2019)

O mundo de Anoushka Shankar é um feitiço que se nos cola, que consegue soar ao mesmo tempo moderno e intemporal.

Miles Davis – Rubberband (2019)

O resultado final é deliciosamente datado, transportando-nos imediatamente para essa década plástica e livre, de que Davis queria também ser parte.

Guaxe – Guaxe (2019)

Mais um objecto curioso e de personalidade bem vincada, do qual destacamos a melancolia doce e cansada.

Pixies – Beneath the Eyrie (2019)

É a vez de Beneath the Eyrie, que está a ser recebido pela crítica como um regresso à boa forma, ainda que não aos bons velhos tempos.

The Raconteurs – Help Us Stranger (2019)

Quem quer um bom e sólido disco de rock clássico, muito bem feito em 2019, tem aqui uma boa rodela para saborear.

“All My Happiness is Gone” – Purple Mountains

Depois do infeliz suicídio de Berman, é fácil pegar em qualquer uma das letras de Purple Mountains e encontrar aí os avisos de que tudo ia, finalmente, correr mal.

“Tennessee” – Silver Jews

A letra de “Tennessee” é simples mas deliciosa, com um homem indo ao Kentucky convencer uma mulher a mudar-se com ele para o Tennessee.

“Margaritas at the Mall” – Purple Mountains

Um dos singles do magnífico álbum homónimo dos Purple Mountains.

“Random Rules” – Silver Jews

Um tema niilista, digamos, em que o autor nos alerta que, na vida, tudo é incerto

“Dallas” – Silver Jews

“Dallas” é o protótipo de uma música da banda de DC Berman.

Playlist da Semana: Joos Blues

Vivemos ainda no choque e no luto da partida de David Cloud Berman, o génio slacker na origem dos Silver Jews e, este ano, dos Purple Mountains. Lidamos com isto da forma que sabemos ou podemos, ouvindo e honrando a…