Tiago Freire
529 Articles3 Comments

O autor deste texto tem 39 anos mas um corpinho de 35. É jornalista há mais de 15 anos. É colaborador de vários blogs e parvoíces afins e já escreveu para a Blitz e para a FHM. Nasceu e cresceu em Carcavelos, fazendo aí o mestrado musical enquanto todos os seus amigos andavam de skate ou faziam surf. Hoje em dia, divide o seu tempo entre as notícias de Economia e a educação dos seus três filhos, enquanto o mundo não percebe que ele é o maior escritor vivo do planeta, coisa que terá inevitavelmente de acontecer. Na próxima encarnação desejaria ser uma mistura entre o Serge Gainsbourg e o Pablo Aimar.

Club Makumba – Club Makumba (2022)

Um belo disco instrumental, que evoca África a partir de Lisboa, habitando o espaço deixado vago pelo discurso dos Dead Combo. O ano de 2022 foi particularmente rico e interessante na música instrumental made in Portugal, talvez até mais do…

“Última vez” – Tim Bernardes

O último disco de Tim Bernardes, o maravilhoso Mil coisas invisíveis, está cheio de grandes temas. Este “Última vez”, ainda assim, destaca-se dos demais, pela forma como a sua letra se vai desenrolando e contando uma história: a de um…

“Stoned Weekend” – Drug Couple

Os Drug Couple são o casal Miles Robinson e Becca e Stoned Weekend, deste ano, é o seu disco de estreia. O álbum é muito bom, percorrendo os mesmos caminhos de alcatrão poeirento e guitarra slide que os saudosos Silver…

“Speeding 72” – Momma

O ano da graça de 2022 foi palco de um curioso regresso ao passado, com bandas novas a deixarem-se inspirar pelo rock alternativo dos anos 90. Projectos como Camp Cope ou Pretty Sick percorrem as estradas abertas pelos Pavement, pelo…

“Sexo, mar y sol” – Sr. Chinarro

Sr. Chinarro, aka o sevilhano Antonio Luque, tem sido aposta do Altamont desde há muito, e continua a merecer a confiança. Acaba de editar Reality Show, mais um belo disco de indie pop cantando em espanhol, que abre com este…

“In ar gcroithe go deo” – Fontaines D.C.

Os irlandeses Fontaines D.C. são um dos grandes nomes do rock actual e estão imparáveis, indo já em três discos em apenas quatro anos. O mais recente, Skinty Fia, editado este ano, abre com esta assombração em forma de música,…

Playlist da Semana: Uma outra língua

Estamos a chegar ao final do ano e o tempo preta-se a balanços e a exposições. Optámos por dar uma breve volta ao mundo em 2022, numa playlist com apenas duas regras: músicas editadas este ano e que não sejam…

Ena Pá 2000 – O Álbum Bronco (2011)

O último disco dos Ena Pá tem momentos interessantes e divertidos, mas não chega perto dos clássicos anteriores da banda.

Ena Pá 2000 – A Luta Continua! (2004)

Uma bujarda de estilos musicais, fetiches sexuais, psicoses e portugalidade, num disco a transbordar de criatividade. Os Ena Pá 2000 são uma instituição portuguesa, como o Licor Beirão ou o bar da Madame Kikas. É uma espécie de mistura incrível…

“Céu Azul” – Charlie Brown Jr

Os Charlie Brown Jr foram das mais importantes e melhores bandas do rock brasileiro, na viragem do século e nos anos seguintes. Se são mais conhecidos pelo seu punk-rock enérgico, eram sobretudo óptimos autores de canções, que funcionam deste o…

Marisa Monte – Memórias, crónicas e declarações de amor (2000)

No arranque do milénio, Marisa Monte traz-nos um colosso cheio de hits e de clássicos, cruzando a tradição com uma impecável modernidade.

Melody’s Echo Chamber – Emotional Eternal (2022)

Ao terceiro álbum, Melody Prochet traz-nos um trabalho límpido, melódico e impregnado do charme francês, com os habituais toques de psicadelismo Muita coisa pode mudar em poucos anos. Há uma década, Melody Prochet apresentava-se ao mundo com o nome de…

Feist – The Reminder (2007)

Ao terceiro disco, a canadiana Feist chegou à primeira divisão e marcou o seu território: música acessível para pessoas inteligentes e sensíveis Leslie Feist é uma daquelas indie darlings que vai aparecendo e desaparecendo, seja através do seu trabalho a…

Los Bitchos – Let the festivities begin! (2022)

Quatro raparigas de países diferentes entram num bar e, com a produção de Alex Kapranos, fazem um disco festivo que tanto vai à cumbia colombiana como ao rock psicadélico turco Um disco com um nome que soa a latino, totalmente…

King Gizzard and the Lizard Wizard – Omniun Gatherum (2022)

Ao 20º disco em dez anos, os King Gizzard dão-nos um álbum duplo esquizofrénico mas muito satisfatório, que vai do trash ao hip-hop, passando pela chillwave e por tudo o mais que conseguiram meter neste caldeirão de criatividade.

“Lookin’ Out My Back Door” – Creedence Clearwater Revival

“Lookin’ Out My Back Door” é uma música sobre o prazer de regressar a casa, tirar os sapatos e ficar a relaxar num qualquer alpendre numa quente fim de tarde no sul.

Creedence Clearwater Revival – Bayou Country (1969)

A casa do portento “Proud Mary” dá aos Creedence Clearwater Revival o primeiro grande sucesso de uma carreira que já durava há dez anos.

Fausto – A Preto e Branco (1989)

Em 1989, Fausto pega em poemas africanos e faz um disco que é uma terna e quente carta de amor aos seus tempos de Angola.