“The End of The World” – The Cure

De melodia e hook viciante, cujo baixo acompanha a melodia da voz, Robert Smith repete, vezes e vezes sem conta, “I couldn’t love you more”. Bastaria ouvir um segundo da música para perceber que é… The Cure, e é provavelmente uma das últimas canções-hino produzidas pelos britânicos.

“Doing The Unstuck” – The Cure

Uma música enérgica, carregada de ritmo e motivação, que nos exorta a nunca acharmos que é demasiado tarde para “queimar a casa” e fazermos tudo aquilo que queremos fazer.

“A Short Term Effect” – The Cure

“Short Term Effect” é uma viagem irreal, com os seus ecos, a sua guitarra arabesca e onírica à Hendrix, as suas dissonâncias e distorções fantasmagóricas.

“Close to Me” – The Cure

Vale a pena ouvir de novo e recordar este clássico de 1985, onde corpos se abanavam e corações se derretiam nas pistas de dança.

“Lullaby” – The Cure

Não duram muito tempo, certas canções de embalar.

“Foxy Lady” – The Cure

Uma nova roupa para um clássico da década anterior.

“Plainsong” – The Cure

Música de abertura de Disintegration, música de coroação em “Marie Antoinette” (Sofia Coppola) e música de encerramento em “Toni Erdmann” (Maren Ade).

“A Night Like This” – The Cure

“A Night Like This” – Quando os Cure conseguiram transformar a sua soturnidade em hits cantaroláveis e dançáveis.

“Friday I’m In Love” – The Cure

“Friday I’m In Love” irá, para sempre, dividir gostos mas a sua qualidade é inatacável.

“A Forest” – The Cure

“Into the trees / Into the trees”, sempre.

“glass” – blue smiley

Os blue smiley eram uma grande e jovem promessa musical.

“Blue Baby” – Ovlov

Apesar de celebrarem este ano dez primaveras, os Ovlov apenas existiram durante uma porção desse tempo.

“Shoot It Up” – Toner

Os Toner são uma banda de Oakland com um trajeto ainda relativamente curto.

“Heavy” – Whirr

Os Whirr surgiram no início da presente década como uma das maiores promessas dentro do movimento revivalista de shoegaze que então começava a ganhar alguma dimensão.

“Favourite Hate” – Weed

Casar punk e shoegaze é tão improvável que é quase impossível não ficar imediatamente encantado por esta mescla ruidosa.

“Blossoms” – April Marmara

A lenta cadência de “Blossoms” serpenteia-nos e a voz de Marmara enfeitiça-nos, numa antecipação ao resto do disco.

“Will You Still Love Me Tomorrow?” – Carole King

O tema, escrito por Carole King e Gerry Goffin, é um marco.

“Walk on By” – Dionne Warwick

Uma canção que pertence a todos.