7.5/10
David Bowie – Toy (2022)

O “álbum perdido” do ano 2000 é finalmente editado, trazendo-nos um Bowie feliz a dar…

Sufjan Stevens – Illinois (2005)

O quinto álbum de Sufjan Stevens, Illinois, é uma espécie de Pet Sounds do século XXI: pop barroca com melodias lindas de morrer.

Zero 7 – Simple Things (2001)

Simple Things é um disco que ficou perdido no seu tempo, afecto ao início de…

Eminem – The Marshall Mathers LP (2000)

O terceiro álbum de Eminem, The Marshall Mathers LP, é a sua polémica obra-prima: provocadora, espirituosa, imaginativa.

Buraka Som Sistema – Black Diamond (2008)

O álbum de estreia dos Buraka Som Sistema, Black Diamond, não é só um grande disco de kuduro progressivo (com tudo o que isso implica de polirritmos frenéticos). É um retrato – e um horizonte – da Lisboa mestiça do século XXI.

Ricardo Villalobos – Alcachofa (2003)

O álbum de estreia de Ricardo Villalobos, Alcachofa, é a grande obra-prima do techno minimal berlinense: monótono, perfeccionista, saboroso.

Boards of Canada – Geogaddi (2002)

O segundo dos Boards of Canada, Geogaddi, pode não ser tão canónico como o disco de estreia – um marco na música electrónica ambiental – mas não lhe fica em nada atrás: nostálgico, poético e assombroso. Uma viagem à infância que pode não acabar bem…

Sonic Youth – Rather Ripped (2006)

Rather Ripped é um disco quase sempre esquecido. Dificilmente constará na lista dos melhores álbuns…

Sonic Youth – Murray St. (2002)

Murray Street é um disco perfeito no equilíbrio entre devaneios sónicos e canções mais lineares…

Burial – Untrue (2007)

O segundo tomo de Burial, Untrue, é considerado por muitos como o melhor álbum de música electrónica do século XXI: opressivo e cinemático, sujo e comovente.

MGMT – Oracular Spectacular (2007)

Oracular Spectacular é um disco ambicioso e com ideias bem assentes, misturando com mestria as várias influências dos MGMT. Um clássico instantâneo que vale a pena descobrir em qualquer década que estejamos.

TV on the Radio – Return to the Cookie Mountain (2006)

Return to Cookie Mountain é, numa palavra, uma maravilha – um álbum experimental com um coração pop que deixa marcas profundas e irremediáveis a quem o absorve.

Gossip – Standing In The Way Of Control (2006)

Com os Gossip, Beth Ditto torna-se numa deusa improvável, numa explosiva mistura de pós-punk com a dança.

The Arctic Monkeys – Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not (2006)

O álbum de estreia dos Arctic Monkeys é um dos clássicos maiores do indie moderno: endiabrado, melódico e inteligente. Um tratado sobre o beco sem saída da adolescência nos subúrbios.

The Strokes – First Impressions Of Earth (2006)

Último capítulo da santíssima trindade, First Impressions of Earth é o álbum em que a banda assume com clareza o lugar no pedestal onde foi colocada.

Cansei de Ser Sexy – Cansei de Ser Sexy (2005)

O primeiro disco da banda Cansei de Ser Sexy foi uma autêntica pedrada no charco, um cometa em fúria que misturou rock, pop e eletrónica pelo mundo inteiro.

Editors – The Back Room (2005)

Os Editors conseguiram, com o disco de estreia, ganhar algum espaço no meio do universo indie que estava a explodir no início dos anos 2000, com guitarras rápidas e toque eletrónico.

The National – Alligator (2005)

Alligator é o último limar de arestas ao som dos National antes da merecida consagração que a ele se seguiu.