Tiago Crispim
30 Articles0 Comentários

Passou a infância e juventude rodeado de discos. Lembra-se de chorar quando foi vendida a colecção de vinil lá de casa, no advento do cd, e ainda está ligeiramente traumatizado. Estudou comunicação e aos 25 anos começou a arranhar guitarras e teclas. Anda com a cabeça nas nuvens do FM.

IAMX – Alive In New Light (2018)

Cheio de detalhe e subtileza, mas também de teatralidade e emoção, este é um óptimo disco para começar a ouvir IAMX.

Esteves – Esteves (2019)

Tendo como fio condutor a guitarra acústica e a voz de Tiago Esteves, eis Esteves.

Boy Harsher – Careful (2019)

Boy Harsher são uma banda norte-americana algures entre o eletropop e o darkwave minimal. Chegam em 2019 com Careful em perfeito equilíbrio da synth pop.

Mulherhomem – Blasférmico (2019)

Mulherhomem regressou em 2019 com Blasférmico, terceiro e último trabalho do trio. Um disco que cresce com cada audição.

Time For T – Galavanting (2019)

Galavanting apura ainda mais a forma dos Time For T, que se superam em canções positivas. É pena que o disco seja curto.

FKA Twigs – Magdalene (2019)

É um álbum sobre reconstrução de identidade, de voltar a ser um, sem outra metade.

David Bruno – Miramar Confidencial (2019)

Um mundo que David Bruno sabe muito bem trabalhar, entre o parolo da meia branca e o irónico que a exibe, sem se perder nas referências e nas piadas, sempre com bom gosto como pano de fundo a contar a história.

Mattiel – Satis Factory (2019)

Não é de estranhar que Jack White tenha apadrinhado o primeiro trabalho de Mattiel.

Lower Dens – The Competition (2019)

Está aberta a competição aos melhores discos do ano e o dreampop dos Lower Dens é candidato, cinco anos depois de Escape From Evil, desta vez de braço dado com sintetizadores dançáveis.

Ezra Furman – Twelve Nudes (2019)

Voz cheia de distorção, gritos, reacção e crueza. Ezra Furman regressou com Twelve Nudes e talvez não seja nada do que estão à espera.

Jakuzi – Fantezi Müsik (2017)

Antes de mais, o synthpop turco é real. Fugiu para o mundo da luz em 2017 com Fantezi Müsik e está aqui.

Clarice Falcão – Tem Conserto (2019)

Longe de querer agradar a todos os fãs que ouviam pela sonoridade dos trabalhos anteriores, Clarice Falcão procurou criar um trabalho que reflectisse a sua visão do mundo.

Niki Moss – Gooey (2019)

Gooey é o primeiro álbum de Miguel Vilhena a solo, sob o nome Niki Moss. Não sendo um nome que à partida desperte muita simpatia, já que remete imediatamente para coisas verdes que se agarram a árvores e pedras, parece ser uma homenagem a dois pilotos de F1, o que vale logo um ponto nesta corrida por discos do ano.

Prefab Sprout – I Trawl The Megahertz (2019)

.O disco flui de uma uma forma inesperada, a soar à banda sonora de uma maioridade diferente e menos explorada, dos adultos, da nostalgia e dos fragmentos da vida nem sempre fácil

Jasmim – O Culto da Brisa (2019)

O folk psicadélico de Jasmim é ideal para um dia calmo e contemplativo e mostra que Brás Teixeira procura um espaço diferente do universo sonoro dos Mighty Sands.

“Vehicle” – The Ides Of March

Hoje, dia 15, são os idos de Março, data do assassinato de Julio César e nome da banda dos anos 70 que teve como único hit este “Vehicle”.

“Seventeen” – Sharon Van Etten

A puxar para a playlist da semana e a recordar um dos grandes discos deste início de 2019.

“Echo Beach” – Martha And The Muffins

Umas horas de busca por entre discos empoeirados às vezes dão bons resultados. Este foi um deles.