Tiago Crispim
104 Articles0 Comments

Passou a infância e juventude rodeado de discos. Lembra-se de chorar quando foi vendida a colecção de vinil lá de casa, no advento do cd, e ainda está ligeiramente traumatizado. Estudou comunicação e aos 25 anos começou a arranhar guitarras e teclas. Andou uns anos com a cabeça nas nuvens do FM, agora é mais redes e comunicação.

Serge Fritz – gandulo (2022)

Serge Fritz é um projeto novo, tão a estrear que ainda temos de tirar o plástico envolvente. Mas já sai crescido, composto e recomenda-se. Alter-ego de Sérgio Freitas, bracarense e pianista, que já teve colaborações com artistas como Old Jerusalem,…

Esteves – O Alpinista (2022)

Depois de, em 2019, nos ter brindado com o seu primeiro disco a solo, Tiago Esteves ainda tem algo para dizer na música.

C. Tangana – El Madrileño (2021)

C. Tangana, de seu nome Antón Álvarez Alfaro, não é um novato nestas andanças da música e já era conhecido antes pelo hip hop em Espanhol com boas misturas de estilos. Mas com este El Madrileño consegue a sua obra…

“New Kid” – Monokino

O holandês George Van Wetering, mais conhecido Monokino, é daqueles artistas de culto com presenças em festivais da China aos Estados Unidos. Esta “New Kid”, de 2010, soa um bocado a Brian Molko dos Placebo. Numa onda marcadamente mais eletrónica,…

“Live Outside” – Enter Shikari

Uma daquelas bandas que se mantém relativamente desconhecida, apesar de existirem desde 1999, os Enter Shikari, ou enter: shikari, ou também ΣΠΤΣR SΗΦΚ∆RΦ começaram no rock de pés fincados mas cada vez mais dão um pulinho à eletrónica. Em 2017 com…

“Find My Way” – Paul McCartney (feat. Beck)

Depois de 2020 ter visto o lançamento de McCartney III, no ano seguinte apareceu McCartney III Imagined, com remisturas dos temas do anterior. A mais bem conseguida destas é a colaboração com Beck nesta “Find My Way”, que tem direito…

“Do It All the Time” – I Don’t Know How But they Found Me

Formados pelo ex-baixista dos Panic! At the Disco (não se vão já embora), estes I Don’t Know How But They Found Me são o indie pop a correr bem. Músicas bem construídas, fáceis de ouvir e com vídeos incríveis, como…

“Synthesizer” – Electric Six

Aqui está uma ode ao poder de um sintetizador. Os Electric Six já existem desde 1996 e são mais famosos por “Danger High Voltage” e “Gay Bar”, mas esta “Synthesizer” não só é catchy (ou orelhuda) como vem acompanhada de…

Playlist da Semana: Bem-vindo 2022

Uma playlist de uma hora para começar o ano com boa disposição, com umas misturas de música nova e outras nem tanto, para dar as boas vindas a 2022.

The Soaked Lamb – Two to Two (2021)

Sem grande alarido, os Soaked Lamb lançaram o quarto disco, “Two to Two”, continuando a estética norte-americana de inícios do séc. XX. Um disco sólido e, como sempre, intemporal.

The Happy Mess – Jardim da Parada (2021)

Ao quinto disco e dez anos de carreira, os Happy Mess lançam o primeiro disco em português. E vale a pena ouvir. Por vezes fica a ideia que escrever e cantar em inglês é uma forma de defesa, prevenindo de…

The Marías – CINEMA (2021)

The Marías são um mundo de influências. Misturam pop, jazz, latinidades, eletrónica e até salpicadelas de reggaeton. O pior, ou neste caso o melhor, é que resulta num disco bastante equilibrado. Este é o primeiro disco dos The Marías, duo…

Perpétua – Esperar Pra Ver (2021)

Os Perpétua são Beatriz Capote, Diogo Rocha, Rúben Teixeira e Xavier Sousa e pelos vistos vêm de Aveiro. Não que isto interesse ou influencie o seu álbum, mas é sempre bom saber que há vida musical fora de Lisboa, e…

Snail Mail – Valentine (2021)

Depois de surgir com promessas de salvar o mundo do rock em 2018, especialmente por parte da crítica, Snail Mail apresenta o seu segundo trabalho, Valentine. Desta vez não salva o mundo mas talvez se salve a ela. Lindsey Jordan…

“She’s in Parties” – Bauhaus

Algures entre o gótico e o shoegaze, a voz de Peter Murphy ecoa por entre guitarras distorcidas.

“I’m In Love With a German Film Star” – The Passions

É daquelas em que nos abanamos com a cabeça a olhar para baixo.

“Moments In Love” – The Art Of Noise

Esta é daquelas que todos os que ouviram rádio nos anos 80 conhecem.

“Ghosts” – Japan

“Ghosts” é sombria, com um baixo menos sinuoso que outras canções e imagens sombrias.