Ricardo Romano
692 Articles1 Comments

"Um bom disco justifica sempre os meios”- defendeu-se Ricardo Romano, ao ser acusado de ter vendido o rim esquerdo da sua tia entrevada para comprar uma edição rara do Led Zeppelin II - o melhor disco de sempre. O juiz não se convenceu, mandando-o para uma prisão com condições desumanas, onde uma vez foi obrigado a ouvir do princípio ao fim um disco dos Creed. Actualmente em liberdade, cumpre pena de trabalho a favor da comunidade no site Altamont mas a proximidade com boas colecções de discos não augura nada de bom.

“Anything to Say You’re Mine” – Etta James

Em “Anything to Stay You’re Mine”, os gemidos de sofrimento de Etta James são tão lancinantes – “oh, oh, I’m so blue” – que parece que escarafuncham o nosso coração com um canivete.

“Insecurities” – Syd

Em “Insecurities”, Syd baixa a guarda e assume uma inédita vulnerabilidade. A sua voz, habitualmente distanciada e blasé, é agora intensa e sofrida. Como se nos confessasse que a sua bravata do costume não passa de um verniz que agora estala.

“The Satanist” – Behemoth

A balada “The Satanist”, dos polacos Behemoth, é quase pop no seu açúcar melódico, se bem que disfarçada com vozes guturais e guitarras distorcidas, não fossem os metalheads mais puristas apedrejarem-nos pela infâmia.

Playlist da Semana: Menos é mais

As canções que vos trazemos são de muitas cores e feitos mas têm uma coisa em comum: alguma forma de simplicidade, dizendo muito com muito pouco. Para se ir desfrutando em distraídas dentadas.

“Chove Muito, Chove Tanto” – Amélia Muge

O single de Amélia Muge, “Chove Muito, Chove Tanto”, com letra da sua irmã Teresa, debruça-se sobre a meninice das manas em Moçambique, “quando não tinha sapatos, quando chupava capim” – daí os seus mágicos africanismos.

Black Angels || LAV: o psicadelismo serve-se de negro

Ontem, os Black Angels trouxeram-nos transe, vício e rock’n’roll. A beata Lisboa estava a pedi-las…

Sepultura – Chaos A.D. (1993)

O quinto disco dos Sepultura, Chaos A.D., enxerta o metal extremo com batidas tribais. Assumindo-se brasileiros, conquistam o mundo inteiro.

Mão Morta e Pedro Sousa || Culturgest: a estranha beleza do caos

Na passada quinta-feira, na Culturgest, os Mão Morta e Pedro Sousa deram-nos uma pancadaria de música extrema vanguardista. Sobrevivemos. O que não mata, fortalece.

Lobo Mau // Baleia Piloto || Recreios Desportivos da Trafaria: o Tejo, a folk e o rock’n’roll

Foi belo o concerto dos Lobo Mau e dos Baleia Piloto no coração da Trafaria. O Tejo, a folk e o rock’n’roll…

Keith Jarrett – The Köln Concert (1975)

The Köln Concert, de Keith Jarrett, arrebata-nos com a sua poesia. O disco de jazz mais icónico da sua década.

Beth Orton – Weather Alive (2022)

O oitavo disco de Beth Orton, Weather Alive, é triste e contemplativo. Como quem olha pela janela e se perde na chuva.

Surma em entrevista: “É incrível ser vulnerável”

À boleia do seu novo disco, Alla, Surma recebeu-nos num jardim em Benfica, deslindando o mistério da criação. Um gato vadio apontou tudo…

TV Rural || Musicbox: o regresso ao velho cais

O regresso aos palcos dos TV Rural não foi só um festim de rock’n’roll; foi uma noite mágica e comovente.

Amélia Muge – Amélias (2022)

O novo álbum de Amélia Muge, Amélias, é uma bonita homenagem ao canto entre mulheres.

Golden Slumbers – I Love You, Crystal (2022)

O segundo álbum das Golden Slumbers, I Love You, Crystal, solta-se da camisa-de-forças do puro folk, abrindo-se ao indie e à dream pop.

Manuel João Vieira em entrevista: Há uma linhagem do maldizer que é profundamente portuguesa

Na tentativa de conhecer melhor o homem por baixo das capas de vários heterónimos, fomos em busca de Manuel João Vieira. Amavelmente recebidos em sua casa, falámos sobre ele próprio e Ena Pá 2000, claro, mas também sobre vida e…

“A Titi Fez-me Tété” – Ena Pá 2000

“A Titi Fez-me Teté” sobrepõe um rockabilly atrasado mental com a leitura séria de um ensaio sobre arte. Resultado: cócegas no cérebro.

Ena Pá 2000 – És Muita Linda (1994)

O segundo e melhor disco dos Ena Pá 2000, És Muita Linda, é de uma olímpica e bem-vinda parvoíce.