Ricardo Romano
649 Articles1 Comments

"Um bom disco justifica sempre os meios”- defendeu-se Ricardo Romano, ao ser acusado de ter vendido o rim esquerdo da sua tia entrevada para comprar uma edição rara do Led Zeppelin II - o melhor disco de sempre. O juiz não se convenceu, mandando-o para uma prisão com condições desumanas, onde uma vez foi obrigado a ouvir do princípio ao fim um disco dos Creed. Actualmente em liberdade, cumpre pena de trabalho a favor da comunidade no site Altamont mas a proximidade com boas colecções de discos não augura nada de bom.

José Mário Branco – FMI (1982)

O Maxi single de José Mário Branco, FMI, é um disco muito especial: sincero, vulnerável e profundamente humano.

Lançamento do novo disco dos Asimov: como foi a festa?

Ontem, 15 de Maio, houve festa de rock’n’roll em Campo de Ourique. A culpa foi dos Asimov e da Chasing Rabbits Record Store, onde tudo aconteceu. O pretexto foi o lançamento de novo disco da banda, Dialects, editado em CD…

Asimov lançam novo álbum a 14 de Maio na Chasing Rabbits Record Store

Os Asimov (heavy rock psicadélico na tradição dos Black Sabbath e dos Hawkwind) lançam o seu quinto álbum, Dialects, amanhã, 14 de Maio, na Chasing Rabbits Record Store, em Lisboa. A edição em CD duplo, limitada a 100 exemplares, inclui…

10 000 Russos, Process of Guilt, Galgo e Noves Fora Nada na sexta edição do Capote Fest, em Évora

Entre 19 e 21 de Maio Évora acolhe a sexta edição do Capote Fest, o evento de música portuguesa que abre a época dos grandes festivais de música. Após um ano de pousio pandémico, sabe bem o regresso ao Alentejo…

Aldous Harding – Warm Chris (2022)

O quarto disco de Aldous Harding, Warm Chris, é uma obra-prima do folk esquisito. A nossa neozelandeza favorita não tem uma voz bonita: tem mil vozes bonitas, mil personagens.

Noves Fora Nada || Village Underground

Lá fora, luz (a lua cheia entornando-se sobre o Tejo). Cá dentro, escuridão (o antro negro do Village Underground). Os Noves Fora Nada jogando em casa, portanto, para apresentar o seu disco de estreia, Da Opulência ao Carvão. É a…

Noves Fora Nada – Da Opulência ao Carvão (2022)

Da Opulência ao Carvão, integra com engenho facetas muito diferentes do rock: gasolina, mel, escuridão.

Noves Fora Nada lançam disco de estreia a 9 de Abril

A pandemia tudo tentou para o impedir mas em vão: o álbum de estreia dos roqueiros Noves Fora Nada, Da Opulência ao Carvão, será lançado no próximo dia 9 de Abril, em CD e nas plataformas digitais. O concerto de…

“Breaking the Girl” – Red Hot Chili Peppers

“Breaking the Girl” é melódica, acústica e vulnerável: a antítese, portanto, de tudo o que os Red Hot haviam sido até então. John Frusciante acrescenta-lhe outro pecado, o amor ao classic rock (quem gosta de Led Zeppelin reconhecerá a guitarra…

Red Hot Chili Peppers – The Uplift Party Plan (1987)

O terceiro disco dos Red Hot, The Uplift Party Plan, é aquele que melhor ilustra a essência do género que inventaram: o funk metal. Uma mistura feliz entre funk, rap e rock.

“Give It Away” – Red Hot Chili Peppers

O produtor Rick Rubin persuadiu Flea a trocar o slap exibicionista dos primeiros discos por linhas de baixo mais simples e memoráveis. E assim nasce o groove gingão de “Give It Away”. Menos é sempre mais…

Nuno Saraiva em Entrevista: “É uma honra editar José Afonso”

Estivemos à conversa com Nuno Saraiva, o responsável – através da Lusitanian Music, selo Mais Cinco – pela reedição da obra de José Afonso. Tudo girou à volta da boa-nova editorial.

“Eu Dizia” – José Afonso

O último tema que Zeca cantou em estúdio. Como seria de esperar, a voz fraqueja, e nem os quilos de reverb conseguem disfarçá-lo. Essa vulnerabilidade – humana, demasiado humana – torna tudo mais comovente.

“Senhor Arcanjo” – José Afonso

A divertida “Senhor Arcanjo” tem um icónico falso começo: “ó Zé Mário, não se ouve, pá”. A letra é deliciosamente nonsense, com anjos a caírem no alguidar e doutores a comerem repolhos, surrealista e popular ao mesmo tempo. As congas dão-lhe o remate final: um exótico travo africano.

“Cantigas do Maio” – José Afonso

“Cantigas do Maio” abre com um acordeão dolente, uma levíssima pincelada por cima da viola quase fadista. No refrão o tempo duplica, para dar mais força à catarse emocional dos versos roubados ao cancioneiro popular: “minha mãe quando eu morrer…”. O acordeão, antes suave, é agora nervoso e agitado.

“Milho Verde” – José Afonso

O ritmo sincopado de um adufe dá balanço a “Milho Verde”, um bonito tema popular, com um imaginário singelo e malandro ao mesmo tempo: “à sombra do milho verde namorei uma casada”…

“Cantar Alentejano” – José Afonso

Menos é mais, pensou José Mário Branco quando chegou a hora de encenar “Cantar Alentejano”, a comovente elegia a Catarina Eufémia. O dedilhado da viola é tão bonito, e o falsete de José Afonso tem tanta dor, que Zé Mário não lhe acrescentou absolutamente nada.

José Afonso – Como se Fora Seu Filho (1983)

Como se Fora Seu Filho é um disco triste e alegre. Triste porque Zeca está doente, a voz fraqueja, há a consciência do fim. Alegre porque não se rende, gravando um disco belíssimo, fintando a morte.