Caetano Veloso – Outras Palavras (1981)

Outras Palavras foi o primeiro Disco de Ouro da carreira de Caetano Veloso, e percebe-se facilmente a razão: é um tremendo álbum, repleto de clássicos e de amor em forma de sons e palavras, de outras palavras, entenda-se.

Marisa Monte – Memórias, crónicas e declarações de amor (2000)

No arranque do milénio, Marisa Monte traz-nos um colosso cheio de hits e de clássicos, cruzando a tradição com uma impecável modernidade.

7/10
Valter Lobo – Primeira Parte de Um Assalto (2022)

Se o Valter Lobo é um dos segredos mais bem guardados da música portuguesa, o seu terceiro disco, Primeira Parte de Um Assalto é a prova que, mesmo quando escondida, a boa música vem à tona.

Lena d’Água & Atlântida – Perto de Ti (1982)

A memória tem apetites particulares. Fomos ouvir de novo Perto de Ti, o primeiro disco de Lena d’Água com a banda Atlântida. O reencontro ocorreu sem grandes desilusões, o que é sempre bom sinal.

6/10
Jonas – São Jorge (2021)

São Jorge, álbum de estreia do fadista lisboeta Jonas, incorpora o fado tradicional e as temáticas contemporâneas, sendo um disco essencial na discografia da nova geração do fado. 

Playlist da Semana: Ai Portugal, Portugal

Porque somos provincianos, deslumbrados com o que vem de fora, e descuidando do que é…

7/10
serge fritz – gandulo (2022)

serge fritz é um projeto novo, tão a estrear que ainda temos de tirar o plástico envolvente. Mas já sai crescido, composto e recomenda-se.

7.5/10
Fumo Ninja – Olhos de Cetim (2022)

Mais um belo projecto fruto de pandemia, Olhos de Cetim é a estreia dos Fumo…

José Mário Branco – FMI (1982)

O Maxi single de José Mário Branco, FMI, é um disco muito especial: sincero, vulnerável e profundamente humano.

Asimov lançam novo álbum a 14 de Maio na Chasing Rabbits Record Store

Os Asimov (heavy rock psicadélico na tradição dos Black Sabbath e dos Hawkwind) lançam o…

Fausto – A Preto e Branco (1989)

Em 1989, Fausto pega em poemas africanos e faz um disco que é uma terna e quente carta de amor aos seus tempos de Angola.

“A cantiga é uma arma” – GAC – Vozes na Luta

GAC – Um símbolo da música ao serviço da política popular.

“Inquietação” – JP Simões

Uma releitura pessoal de JP Simões, do excelente disco “1970”. Mais uma oportunidade e uma nova vida, para uma nova geração, de um tema imortal.

“Portugal ressuscitado” – Grupo In-clave, Tonicha e Fernando Tordo

O slogan que faz o refrão desta canção – “o povo unido nunca mais será vencido” – transformou-se na peça central deste “Portugal ressuscitado”, na sequência do 25 de Abril.

“Somos Livres” – Ermelinda Duarte

Um dos grandes temas do período logo a seguir ao 25 de Abril, “Somos Livres” ficou na memória colectiva dos portugueses.

7/10
Homem em Catarse – Sete Fontes (2021)

Sete Fontes pode ser um postal do Minho mas é sobretudo uma viagem em que encontramos um local de introspeção e quase ficamos suspensos no tempo. Talvez sejam resquícios de um confinamento em que o mundo parou.

8/10
Noves Fora Nada – Da Opulência ao Carvão (2022)

Da Opulência ao Carvão, integra com engenho facetas muito diferentes do rock: gasolina, mel, escuridão.

7.5/10
Goodbye, ÖLGA – Goodbye, ÖLGA (2022)

É de salutar haver bandas a fazer a prova de vida que o rock precisa, em Portugal é um género algo descurado nos últimos tempos havendo poucas bandas a ajudarem na frente de “combate”.