The Who – Who’s Next (1971)

Das cinzas de um projecto falhado, nasce o despretensioso Who’s Next, tão imaginativo como Tommy e Quadrophenia mas sem o seu peso conceptual. O favorito dos fãs menos virados para as óperas rock.

Sangue, açúcar, sexo e magia: o clássico dos Red Hot faz 30 anos

Os Red Hot dos anos 80, com a sua tresloucada fusão de punk, funk e hip-hop, foram muito influentes.

The White Stripes – Elephant (2003)

O disco que alberga “Seven Nation Army” é a obra-prima incontestada dos White Stripes. Um equilíbrio perfeito entre riffs corrosivos e uma cativante sensibilidade pop.

The White Stripes – De Stijl (2000)

Ao segundo disco, os White Stripes aperfeiçoam a fórmula e começam a cimentar a sua carreira. De Stijl é um disco carregado de boas canções e que ajudou a definir a era do Indie Rock.

Dirty Projectors – Bitte Orca (2009)

O álbum que pôs os Dirty Projectors no mapa, fazendo a ponte entre o vanguardismo erudito dos primeiros discos e o melodismo pop dos seguintes.

Asimov and the Hidden Circus – Flowers (2020)

Ao quarto capítulo, os portugueses Asimov fazem o seu melhor disco: selvagem, psicadélico e tribal. Para aplacar os maus espíritos do tempo, pendurando cabeças humanas em paus.

NOS Alive 2019 – Dia 2

O concerto dos Vampire Weekend era o mais esperado da noite. No entanto, os bons e velhos Primal Scream e Johnny Marr deram igualmente boa conta do recado. Um trio de ases de respeito a marcar o cartaz de mais uma longa maratona musical!

Zanibar Aliens – III (2018)

Ao terceiro disco, os Zanibar Aliens esticam as asas para algumas novas paisagens sonoras, sem perder o puro sangue rock que sempre os caracterizou

Led Zeppelin – BBC Sessions (1997)

Um condensado testemunho da caminhada dos Zeppelin, monumento ao rock, às guitarras e aos excessos, uma ostensiva exibição de génio.

“Babe I’m Gonna Leave You” – Led Zeppelin

A canção acústica mais pesada de que há memória.

Led Zeppelin – Coda (1982)

Dois anos depois do fim oficial da banda, surge Coda, reunião de outtakes de discos anteriores, servindo para cumprir obrigações contratuais e para a despedida sem grande glória

“Hot Dog” – Led Zeppelin

“Hot Dog” é simples, quase banal, facilmente digerível (daí o título?), embora a letra fale de desamor e de vingança marcada. Coisas da vida, portanto.

Led Zeppelin – In Through the Out Door (1979)

In Through the Out Door é um disco lamentável. Tudo aquilo que é grande nos Led Zeppelin é pequeno nesta sua última obra.

“Good Times Bad Times” – Led Zeppelin

A revolução não precisa de passar na televisão. A revolução pode chegar (e chegou) sob a forma de uma canção com menos de três minutos que deixou bem claro as intenções de quem a tocava: eles iam ser a melhor banda de rock de sempre.

Led Zeppelin – Presence (1976)

Presence, marcado por dúvidas e uma fuga para frente, é o início do fim do domínio mundial dos Led Zeppelin, e o seu último disco que ainda merece um lugar ao lado das obras-primas anteriores

Led Zeppelin – Physical Graffiti (1975)

Uma obra oriunda de um tempo em que o rock estava a começar a ficar aburguesado e as suas estrelas cada vez mais afastadas do público.

“How Many More Times” – Led Zeppelin

A acabar o histórico disco de estreia, “How Many More Times” é um colosso muitas vezes subvalorizado no panteão dos grandes épicos dos Led Zeppelin.