Diogo Barreto
117 Articles1 Comments

Nick Cave & the Bad Seeds – Nocturama (2003)

Menos cabelo, uma vida familiar feliz e o primeiro falhanço completo. A carreira de Cave nunca mais foi a mesma depois deste patinho feio. «O Nocturama é alvo de um desprezo generalizado tão grande que o próprio título passou a…

“Reach Out I’ll Be There” – The Four Tops

Diana Ross haveria de gravar a mesma canção, mas substituindo a energia crua pela sensualidade suprema.

“Como Calha” – B Fachada

O tom da canção é festivo, com uns sintetizadores marados, umas imagens meio surrealistas, mas com um sentido claro: “Não se ama como calha”, infelizmente.

“Mellow my Mind” – Neil Young

A harmónica estridente, a guitarra meio country sujo e a voz fora de tom e esganiçada de Young acertam num nervo qualquer que arrepia todo o pescoço.

“Next Level Charli” – Charli XCX

Sintetizadores, cordas, refrões cheios, letras sobre sair, carros e miúdos giros, e uma estética musical fora do comum parece ter tudo o que é preciso para singrar neste mundo.

Chick Corea e Bobby McFerrin – “Spain”

Chick Corea já está a tocar no grande concerto lá no céu, enquanto nós na Terra ouvimos o seu namorico com McFerrin.

Playlist da Semana: 50 formas de (não) deixar o seu amor

Uma playlist com 50 canções para celebrar, com uma ordem que pode parecer aleatória, mas que não é. De todo.

“Farto de Voar” – Sérgio Godinho

“Tenho um corpo na morte de um lado/ Só suspenso por balas de um lado/ E do outro a escapar, a escapar/ de raspão” Os Sobreviventes é um dos discos mais importantes do rock feito em português (que nasceu muitos anos…

“Mudemos de Assunto” – Sérgio Godinho

“Mudemos de Assunto” é uma bela canção de (em simultâneo) amor e desamor com versos de excelência.

“Quatro Quadras Soltas” – Sérgio Godinho

Com a participação de Zeca Afonso, Fausto e Adriano Correia de Oliveira.

Sérgio Godinho – Canto da Boca (1981)

Canto da Boca encerra uma das mais frutíferas trilogias da canção nacional e permitiu a Sérgio Godinho desbravar caminho para uma nova fase da sua carreira.

Sérgio Godinho – Pré-Histórias (1973)

O homem dos sete instrumentos pode ser quem bem quiser. Lutou por esse direito e assegurou o seu lugar.

Nas – Illmatic (1994)

Illmatic é o pináculo de toda a criação de Nas que, apesar de algumas canções incríveis pelo caminho, não conseguiu nunca repetir a qualidade atingida aqui.

Amazing Grace – Aretha Franklin (1972)

Amazing Grace não é apenas um dos mais soberbos discos ao vivo que alguma vez foram gravados. É um milagre sob a forma de canções.

The Beatles – Please Please Me (1963)

O primeiro disco dos Beatles é um bom primeiro esforço por um grupo de miúdos com vontade de vingar e deixa um esboço das qualidades que viriam a tornar os Beatles a banda mais influente do mundo.

“Damn Life” – John Cale

John Cale nunca foi um tipo muito alegre.

“Sober to Death” – Car Seat Headrest

Com milhares de pessoas na encosta do auditório natural do festival Paredes de Coura a olhar para ele, Will Toledo sacou do telemóvel, entre canções, sorriu e pareceu mandar uma mensagem. Depois lançou-se a “Sober to Death”. Provavelmente tinha recebido…

“Not One of Us” – Peter Gabriel

Estamos todos no mesmo barco e ele continua a meter água.