Marisa Monte – Memórias, crónicas e declarações de amor (2000)

No arranque do milénio, Marisa Monte traz-nos um colosso cheio de hits e de clássicos, cruzando a tradição com uma impecável modernidade.

Playlist da Semana: Especial MPB

O Brasil comemora os 200 anos da sua independência, e nós comemoramos o grande amor que temos pela sua música, pela sua gente, pela sua identidade tão plural. Artisticamente falando, a música popular brasileira é das melhores do mundo, pelo que comemorar os seus músicos e os seus álbuns será sempre motivo de festa.

Suede com novo single

A banda de Brett Anderson e companhia lançou um novo single de avanço ao próximo…

Noves Fora Nada || BOTA

O concerto dos Noves Fora Nada no BOTA foi bem oleado e esmagador. Um festim de rock’n’roll.

Einstürzende Neubauten || Aula Magna

Os Einstürzende Neubauten regressaram à Aula Magna após uma longa ausência e dois adiamentos forçados devido à pandemia. Uma plateia quase esgotada assistiu a uma noite de consagração do seu rock industrial.

Golden Slumbers || B.Leza

O duo lisboeta de indie folk, composto pelas irmãs Catarina (Monday) e Margarida Falcão (Vaarwell), apresentou o sucessor de The New Messiah, no B.Leza.

Caetano Veloso – Transa (1972)

A data é comemorativa, mas servirá sobretudo como lembrete: ouvir Transa é urgente, mesmo passados…

“Little Season I” – Bruno Pernadas

Private Reasons tem canções como esta “Little Season I”, com o seu belíssimo início a capella que depois dá início a uma canção que parece conter três ou quatro dentro de si. Até dá para efeitos de voz e tudo.

8/10
Salma e Mac – Salma e Mac [EP] (2021)

Salma e Mac servem-nos a refeição perfeita com elevado teor de beleza e muito rica em calorias poéticas.

“Like I Used To” – Sharon Van Etten & Angel Olsen

Este “power duo” do indie rock é um cruzamento ambicioso entre duas das melhores compositoras e cantoras do universo indie/rock/folk.

Lucy Dacus
“La Vie En Rose” – Lucy Dacus

Meio em francês, meio em inglês, esta interpretação do clássico de Piaf foi lançada em 2019, transformando-a numa canção perfeita para usar naquela parte dos filmes em que um dos membros do casal corre desesperadamente atrás do seu amor.

Joni Mitchell – Blue (1971)

O quarto álbum de Joni Mitchell, Blue, é belo, triste e honesto. Como a chuva a cair numa tarde de Inverno.

The Fleetwoods
“Come Softly To Me” – The Fleetwoods

Os Fleetwoods sussurram-nos ao ouvido e as luzes quase que se apagam na hora e começamos a sentir um conforto que dá vontade levitar.

“Wah-Wah” – George Harrison

“Wah-Wah” é o exemplo máximo da produção exacerbada de Phil Spector. Uma aglomeração de guitarras, baterias e efeitos, fazendo uma argamassa de betão, sustentando a canção.

Anderson .Paak – Malibu (2016)

O segundo disco de Anderson Paak é quase uma história da música negra americana, uma síntese feliz entre soul, jazz, funk e hip-hop. A sua voz rouca cheia de grão tem tanto de dor como de luz.

“Mudemos de Assunto” – Sérgio Godinho

“Mudemos de Assunto” é uma bela canção de (em simultâneo) amor e desamor com versos de excelência.

Sérgio Godinho – Pré-Histórias (1973)

O homem dos sete instrumentos pode ser quem bem quiser. Lutou por esse direito e assegurou o seu lugar.

“Cravado” – Laure Briard

Laure Briard é de Toulouse e canta um doce indie-pop em francês, lembrando o legado de Françoise Hardy e de outras afins.