Alexandre R. Malhado
86 Articles0 Comentários

Apesar de pinga-amor e bonacheirão, Alexandre José Ribeiro Malhado cresceu saudavelmente na Portela de Sacavém. Cedo lidou com o hino do Benfica e com os discos familiarmente empoeirados e antigos que o fizeram discernir. O Rock ‘n’ Roll do pai, a Soul da Motown da mãe e as modernices do irmão. Os Petrus Castrus, os Whispers e os Pantera conviviam todos alegremente no mesmo gira-discos e, acima de tudo, no universo daquele rapaz pinga-amor e bonacheirão. Hoje, mais graúdo e barbudo, tornou da música e do jornalismo o seu credo. Guitarrista dos Supreme Soul e licenciado em Comunicação Social e Cultural na Universidade Católica Portuguesa, Alexandre augura partilhar a sua nuvem com António Sérgio, Martin Hannett e Frank Zappa no Éden da música. Até lá, continuará a ouvir e a escrever.

Stella Donnelly – Beware of the Dogs (2019)

Em Beware of The Dogs, o seu disco de estreia, a australiana é doce, sim, mas é mordaz e espevitada, petulante e divertida nas canções de amor, ao longo de 13 temas.

The Cure – The Cure (2004)

Na ressaca do sucesso do nu-metal, os The Cure acrescentaram o peso certo à sua melancolia, participando na ressurreição do rock. O disco homónimo tem grandes canções mas foi eclipsado por novidades desse ano, como os Arcade Fire, Franz Ferdinand e Killers.

“The End of The World” – The Cure

De melodia e hook viciante, cujo baixo acompanha a melodia da voz, Robert Smith repete, vezes e vezes sem conta, “I couldn’t love you more”. Bastaria ouvir um segundo da música para perceber que é… The Cure, e é provavelmente uma das últimas canções-hino produzidas pelos britânicos.

“Blossoms” – April Marmara

A lenta cadência de “Blossoms” serpenteia-nos e a voz de Marmara enfeitiça-nos, numa antecipação ao resto do disco.

“Will You Still Love Me Tomorrow?” – Carole King

O tema, escrito por Carole King e Gerry Goffin, é um marco.

“Walk on By” – Dionne Warwick

Uma canção que pertence a todos.

“U Owe Me” – Stella Donnelly

Stella Donnelly é uma das revelações de 2019.

“Anytime” – Snail Mail

Snail Mail: um prodígio do indie rock

Playlist da semana: Austrália

Esta semana, viramo-nos para o melhor que a Austrália nos tem dado.

Peter Hook & The Light || Aula Magna

Ao oitavo concerto em Portugal em nome próprio, Peter Hook continua a entreter. Em mais de duas horas de concerto, deu o que o público queria, as canções que o fizeram famoso. Mas vale sempre a pena tentar sentir a…

“Never Meant” – American Football

Os pais do emo regressam em 2019 com um novo álbum.

“Only Ones Who Know” – Alex Turner & Richard Hawley

Uma das melhores canções de um dos melhores discos dos Arctic Monkeys, Favourite Worst Nightmare, pelo swing da banda de Richard Hawley.

“Baby it’s cold outside” – Frank Loesser

Um hino de Natal sobre um homem tentar convencer uma mulher a passar a noite lá em casa, durante o Inverno de 1944.

“Fuck Christmas, I’ve Got The Blues” – The Legendary Tigerman

Sozinho ou acompanhado, onde quer que o caro leitor esteja, que seja genuinamente feliz hoje.

Playlist da semana: Natal indie

Nem todo o Natal tem de ser “Jingle Bells” e “Santa Claus is Coming to Town”. O lado B das músicas natalícias pode ter distorção, blues e, até, tristeza. Porque em tudo nesta quadra de amor e tolerância tem de ser polido, sóbrio e bonitinho.

The Midnight Hour – The Midnight Hour (2018)

O DJ dos A Tribe Called Quest e Adrian Younge deitaram o MPC no lixo e usaram as skills jazzísticas de uma big band para fazer um grande disco de hip hop e soul.

“Srs. Políticos” – Censurados

“Gostam muito de falar / Aparecer em público / Na televisão / Mantêm o povo estúpido / Com sorrisos de enfeitar / Não dizem nada de novo / Posam para a fotografia / Sorriem para o povo.”