Rolling Blackouts Coastal Fever – Sideways to New Italy (2020)

Ao segundo disco, os australianos Rolling Blackouts Coastal Fever mantêm todos os argumentos que os lançaram para a ribalta, num disco soalheiro mas ao qual falta algum golpe de asa.

Joe Jackson – Fool (2019)

Fool marca o regresso de Joe Jackson aos discos. O recente trabalho do músico inglês joga com as sortes e os azares da vida. E se o tom do disco tende para o lado da soturnidade, também é verdade que o brilho do nosso good ol’ Joe nunca nos deixa às escuras.

The 13th Floor Elevators – Easter Everywhere (1967)

Fez-se história ao segundo disco. Easter Everywhere estava muito à frente do acid blues de The Psychedelic Sounds of the 13th Floor Elevators e impunha-se como trabalho marcante do verão de há 50 anos.

O Método R.E.M.: Simples, Único, Irrepetível.

Os R.E.M. são um nome incontornável na história da música. Mesmo não sendo consensuais, só quem não conhece pode negar a importância e o legado que deixaram.

R.E.M. – Collapse Into Now (2011)

Collapse Into Now foi o sucessor lógico de Accelerate e devolvia os R.E.M. ao rock mais desprendido e imediato. O que poderia ser um retomar elétrico de uma carreira que alternou géneros foi, afinal, o canto de cisne de um grupo marcante.

“The Sidewinder Sleeps Tonite” – R.E.M.

Uma das músicas mais ritmadas a sair do excelente Automatic for the People foi esta “The Sidewinder Sleeps Tonite” onde Michael Stipe muda o registo das suas letras e dá-nos uma canção quase sem sentido onde o que interessa mais é o ritmo e a alegria da sua involvência – os R.E.M. a mostrarem que eram também grandes artesãos pop.

R.E.M. – Accelerate (2008)

Accelerate é o penúltimo disco da carreira dos R.E.M. e é o último grande monumento rock deixado pela banda. São 35 minutos rasgadinhos e abrasivos.

R.E.M. – UP (1998)

UP é o 11º trabalho de uma banda que quer sobreviver ao choque de ter perdido o seu baterista fundador e às transformações sonoras dos finais dos anos 90. Um disco que, paradoxalmente ao seu nome, é dos trabalhos mais sombrios e melancólicos dos R.E.M.

“E-Bow The Letter” – R.E.M.

A mais bela canção do álbum New Adventures in Hi-Fi conta com a participação de Patti Smith, musa da cena alternativa norte-americana, poeta, cantora, punk de coração. Só pecou por tardia a ligação entre Patti e os R.E.M., galhos que…

R.E.M. – New Adventures in Hi-Fi (1996)

New Adventures In Hi-Fi, de 1996, é de facto um álbum aventuroso, como o título sugere, mas sem grandes alterações drásticas no som base dos R.E.M. É uma aventura, sim, mas na forma como foi concebido e executado, para além de toda a bagagem emocional que carrega, fruto do sucesso global que entretanto a banda atingira.

“The One I Love” – R.E.M.

“The One I Love” é uma obra-prima da concisão literária: “Esta é para aquela que eu amo / esta é para aquela que eu deixei para trás / um simples adereço para ocupar o meu tempo / agora ela está…

R.E.M. – Monster (1994)

Michael Stipe decide ser actor e veste a pele de diferentes personagens, enquanto Buck arruma o bandolim e agarra de novo a guitarra elétrica. Assim nasceu Monster.

R.E.M. – Out Of Time (1991)

E finalmente ao sétimo disco, os R.E.M. chegam ao estrelato. Largaram o college rock, abraçaram a pop e a MTV mas nunca deixaram de ser banda que a Georgia viu nascer.

“Man On The Moon” – R.E.M.

Durante os primeiros minutos de “Man On The Moon” (filme), vemos Andy Kaufman, sob fundo negro, dizendo que o filme afinal é só estúpido, que decidiu encurtá-lo pelo nosso bem. Gira o disco e… entram os créditos finais. Um filme sobre…

R.E.M. – Green (1988)

Um dia antes da chegada de George Bush à Casa Branca, os R.E.M começam a sua oposição com um registo que irá moldar a sua entrada na década de 90.

“At My Most Beautiful” – R.E.M.

Se fecharmos os olhos enquanto ouvimos “At My Most Beautiful” é possível imaginarmos Brian Wilson ao piano, magnifico. A canção é claramente uma homenagem aos Beach Boys, mas são as palavras e a voz de Michael Stipe, tão vulnerável e…

R.E.M. – Document (1987)

Ao quinto álbum, os R.E.M. saem das condutas subterrâneas do college rock, subindo ao mainstream. A pop, como nós a conhecíamos, chegara ao fim.

Playlist da Semana: R.E.M. 1h40m

Para relembrar, para descobrir, para encontrar, para cantar de cor, para fechar os olhos, para saltar loucamente, para chorar. Os R.E.M. têm músicas para todas estas possibilidades, é só carregar no play e deixar as emoções entrarem corpo adentro e…