Beatriz Negreiros
139 Articles0 Comments

Ser humano pigmeu em idade e estatura, aterrei no mundo na segunda metade de 96 e pelos vistos fui fazendo coisas, umas sem querer e outras não. Entre elas fui abrindo os ouvidos a ruídos musicais e ocasionalmente tecendo palavras sobre o que penso deles, aqui e ali mas principalmente aqui.

NOS Primavera Sound 2019 – Dia 3

Na última noite do festival, Rosalía confirmou todas as credenciais que faziam dela cabeça de cartaz, mas o trono estaria reservado para Jorge Ben Jor e Erykah Badu. E assim se passaram três dias! Um festival com alguns percalços pelo…

NOS Primavera Sound 2019 – Dia 2

O segundo dia do NOS Primavera Sound trouxe o bom tempo e um punhado de ótimos e variados concertos. De J Balvin a James Blake, houve de tudo um pouco.

NOS Primavera Sound 2019 – Dia 1

O NOS Primavera Sound começou com mau tempo. Pequenos dilúvios que em nada alteraram a vontade de assistir a ótimos concertos. Stereolab e Jarvis para uns, Solange e Danny Brown para outros. Foi grande a variedade.

“Como Quem Pinta” – Sensible Soccers

Tema retirado de “Aurora”, um disco incomparável a todos os anteriores porque já não sabemos inventar palavras para descrever mais um álbum perfeito.

“Journey in Satchidananda” – Alice Coltrane ft. Pharoah Sanders

Sanders e Coltrane dividem amigavelmente o amplo espaço aberto proporcionado pelo tapete sonoro rico de baixo e percussão.

“Limerence” – Yves Tumor

Continuamos calados com os olhos presos a nada, perdendo-nos nas camadas deliciosas do arpejo de Yves Tumor.

“Ode to an African Violet” – Mort Garson

Talvez o que o ser humano goste do agora lendário disco de Garson de 1976 seja a ideia de ele próprio ser embalado pelo toque leve das teclas aveludadas do Moog, dar asas à imaginação e criar folhas e raízes que despontam ao som da música.

Playlist da Semana: Sem voz

O som da voz humana penetra o nosso dia-a-dia: em conversas em que participamos ou escutamos, no nosso trabalho e entretenimento. Esta é uma coleção de excepções.

“Chemistry” – Brian Eno / John Hassell

Brian Eno encontrou em Jon Hassell, um aliado perfeito para criar este “Chemistry”, retirado do fantasmagórico “Fourth World, Vol.1: Possible Musics”.

Mac DeMarco – Here Comes the Cowboy (2019)

Não é fácil dizer-se mal de um disco de uma figura tão universalmente tida como simpática: em tempos, a sua fórmula parecia e foi infalível, e resistir-lhe era ser careta.

Ilustres Desconhecidos: Sybille Baier

Não sei nada sobre a Sibylle Baier. Ninguém sabe, pelos vistos.

Ilustres Desconhecidos: Moondog

Moondog é um enigma dos mais clássicos: sobrevive-lhe tudo, para além do mito.

Ilustres Desconhecidos: The Shaggs

Philosophy of the World continua a sobreviver inexplicavelmente ao sabor dos anos porque é um disco completamente único no seu conceito e conteúdo.

Ilustres Desconhecidos: Nick Drake

Falar de Ilustres Desconhecidos, seja lá o que isso for, é obrigatoriamente sinónimo de falar de Nick Drake.

Jessica Pratt – Quiet Signs (2019)

Quiet Signs é decididamente americano, um americanismo bucólico paralisado na natureza morta das palavras de Whitman e, agora, recuperado pelo timbre anasalado de Pratt.

Ilustres Desconhecidos: Mort Garson

O que mais o sobrevive é um geral desconhecimento da sua pessoa e do seu imenso e riquíssimo catálogo, e um amor intenso mas, no final de contas, desinteressado, pelo seu único disco que emerge do pó dos tempos, Plantasia.

James Blake – Assume Form (2019)

E assim, para a surpresa de todos, Assume Form, o novo álbum de James Blake, é um disco de amor.

Ilustres Desconhecidos: DJ Subroc / KMD

DJ Subroc, um dos criadores de um espécime de hip-hop já extinto, incluindo o para sempre controverso Black Bastards, o “melhor disco de hip-hop que ninguém ouviu”.