Ringo Starr comemorou os 80 anos com um evento online para todos os fãs

A festa dos 80 anos de Ringo Starr arrecadou ainda fundos para as instituições Black Lives Matter, David Lynch Foundation, MusiCares e WaterAid.

“I’m The Greatest” – Ringo Starr

O mais próximo de uma reunião dos fab four.

The Beatles – Let It Be (1970)

Let it be não é o melhor disco dos Beatles, longe disso. Talvez seja, porém, o mais verdadeiro, vulnerável como uma ferida aberta, contraditório como a própria vida.

The Beatles – Beatles For Sale (1964)

Quatro discos em dois anos é motivo para um visível cansaço. Neste álbum os Beatles voltam a fazer versões, começam a escrever temas mais sérios e dão passos para dominar o ambiente do estúdio.

The Beatles – With The Beatles (1963)

Neste segundo álbum os Beatles mostraram que o alarido da “Beatlemania” era justificável. Sem ser inovador, With The Beatles continua a expandir os horizontes e o nível de popularidade estratosférico da banda de Liverpool.

The Beatles – Abbey Road (1969)

Após a turbulência das gravações de Get Back/Let It Be, os Beatles voltam aos seus estúdios preferidos para gravar aquele que seria o seu último disco de originais. Abbey Road é, certamente, o melhor último disco de qualquer banda. A proeza só poderia estar a cabo dos quatro fantásticos de Liverpool.

The Claypool Lennon Delirium – South of Reality (2019)

South of Reality é um instante de exaltação do espírito, uma alucinação sonora, um entusiasmo pulsante e intenso.

The Beatles – The Beatles [White Album] (1968)

O white album não é só um grande clássico cheio de canções imortais. É o cânone a partir do qual todos os álbuns-duplos são medidos.

The Beatles – Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967)

Sgt. Pepper foi o auge da excentricidade dos Beatles. Em pleno Verão do Amor de 67, a criatividade da banda de Liverpool levou-os mais longe do que eles próprios, marcando a história da música com um dos melhores e mais complexos álbuns de sempre.

The Beatles – Rubber Soul (1965)

Foi com Rubber Soul que Paul, John, George e Ringo se catapultaram para a outra margem, para um mundo desconhecido que haviam de pavimentar para outros atos futuros.

The Beatles – Revolver (1966)

Revolver é um disco absolutamente heterogéneo sem nunca perder a coerência. Há baladas, há rock experimental e distorcido, há a emergência de mais um grande compositor na banda e há uma ambição que os fez subir um patamar, tornando-se assim absolutamente ímpares. Há, em suma, a confirmação da genialidade dos Beatles.

Badfinger – No Dice (1970)

A razão deste No Dice dos Badfinger estar nesta rubrica não é propriamente por este ser um dos meus discos preferidos. Nem sequer por a banda ser uma das que mais apraz. Nem por ser um disco que marcou a…

Num DVD perto de si: George Harrison – The Concert for Bangladesh (2005)

< Tido como o primeiro grande concerto de ajuda humanitária, o Concerto para Bangladesh nasce com Ravi Shankar, pela necessidade de ajuda imediata aos refugiados do então Paquistão Este, na altura da guerra da independência. Pedindo ajuda ao seu grande…

George Harrison – Electronic Sound (1969)

Quando em 1968 os Beatles decidiram avançar por conta própria criando a sua própria editora, Apple, o mundo parecia estar sob a sua alçada. Talvez levados por um crecente ego, nomeadamente John e Paul, acharam que podiam ser, ao mesmo…

Ringo Starr – Ringo (1973)

With a Little Help From My Friends é o cognome do terceiro disco a solo de Ringo Starr. Um disco que, incrivelmente, pôs à data, Ringo como o Beatle com mais sucesso (comercial, entenda-se) após separação da banda em 1970.…