Wings – Wild Life (1971)

Wild Life soa exactamente ao que pretendeu ser: um conjunto de canções honestas, despretensiosas, e divertidas. Os anos 70 estavam a começar a descolar e Paul estava pronto para embarcar.

Tim Bernardes – Mil Coisas Invisíveis (2022)

Ao fim de cinco anos, Tim Bernardes decidiu recomeçar mais uma vez. O recente Mil Coisas Invisíveis traz-nos de volta uma das melhores vozes da atual música popular brasileira. Já serão poucos aqueles que ainda vão tendo reticências em relação a Tim…

Eiko Ishibashi – Drive My Car Original Soundtrack

A banda sonora de Drive My Car mostra-nos que alguns filmes se veem com os ouvidos. 

“A Hard Days Night” – The Beatles

Quem não reconhece os versos do arranque “It’s been a hard day’s night/ And I’ve been workin’ like a dog”?

Cornershop – When I Was Born For The 7th Time (1997)

Com vinte e cinco anos ainda por fazer em 2022, When I Was Born For The 7th Time mantém intactos todos os seus vastos motivos de interesse.

Red Hot Chili Peppers – By The Way (2002)

Depois de terem colhido todos os louros de Californication, os Red Hot dão a permissão a John Frusciante para traçar o rumo a seguir. By The Way é um disco luminoso, melódico e pop, sem nenhum dos defeitos que estes termos poderiam vir a sugerir.

“Day Tripper” – The Beatles

Day Trippers são pessoas que fazem viagens por um dia. Neste caso, tais viajantes estavam a ter uma experiência em ácidos, droga apresentada a Lennon em 1965 e que inspirou a canção. Uma experiência subtilmente cantada por cima de um…

Rádio Clube Altamont #1: David Bowie | Smashing Pumpkins | Get Back

O nosso podcast passou a ser Rádio Clube Altamont, programa integrado na Futura – Rádio de Autor, mas o esmiuçamento de discos continua. Neste episódio atacamos o novo disco de David Bowie, “Toy”, o clássico dos Smashing Pumpkins “Siamese Dream”…

Caetano Veloso – Transa (1972)

A data é comemorativa, mas servirá sobretudo como lembrete: ouvir Transa é urgente, mesmo passados 50 anos do seu aparecimento público, ou até talvez por isso. O antes e o agora revelam que o disco, afinal, não tem a idade…

The Coral – Coral Island (2021)

Ao décimo disco da carreira, os Coral regressam à boa forma com Coral Island, que conta a história de uma cidade imaginária, tornada viva pelas nossas memórias de infância. 

Paul McCartney – RAM (1971)

Ao seu segundo disco a solo, Paul McCartney lança as bases para aquele que viria a ser o seu futuro som com os Wings. RAM, mal recebido na altura, é uma belíssima colecção de canções, vindas de quem ainda sofria bastante com a ruptura dos Beatles.

Love – Da Capo (1966)

O segundo álbum dos Love, Da Capo, é psicadélico mas realista, doce e zangado ao mesmo tempo. 

The Who – Who’s Next (1971)

Das cinzas de um projecto falhado, nasce o despretensioso Who’s Next, tão imaginativo como Tommy e Quadrophenia mas sem o seu peso conceptual. O favorito dos fãs menos virados para as óperas rock.

Echo & the Bunnymen – Ocean Rain (1984)

O quarto álbum dos Echo & the Bunnymen, Ocean Rain, é a sua consensual obra-prima: orquestral, misteriosa, evocativa.

“Twist and Shout” – The Beatles

Em Rei dos Gazeteiros, “Twist and Shout” é imagem de marca do clássico de adolescência dos anos oitenta. Também nos anos sessenta os Beatles deixaram a sua marca.

Sweet Psychedelics – Sweet Psychedelics (2020)

Do Brasil chega-nos uma pérola de pop plácida e elegante, com a “nossa” Eugénia Melo e Castro.

Paul McCartney – McCartney III (2020)

Se McCartney pecou várias vezes na carreira por ser demasiado pop, em McCartney III está o mais longe disso que consegue.

Paul McCartney – McCartney II (1980)

Corria o ano de 1980. Mesmo antes da dissolução dos Wings, Paul McCartney virou-se para o experimentalismo e sintetizadores. Gravado totalmente em casa, era McCartney II.