Pulp – This Is Hardcore (1998)

Sexo, drogas e vazio espiritual…

Roger Waters: há vida para além dos Floyd

Sozinho, Waters nunca conseguiu repetir a perfeição de um Dark Side of the Moon. Podia ser o principal criador dos Floyd mas a banda sempre foi muito maior do que o ego do seu baixista. Ainda assim, valeram bem a pena estes seus quatro belíssimos discos. É este o o percurso pós-Floyd que realmente queríamos? Claro que sim.

Roger Waters – Radio K.A.O.S. (1987)

No mesmo ano que os Pink Floyd lançam o primeiro disco sem a sua participação, Roger Waters continua a sua senda anti-guerra, obedecendo à sua matriz de álbum-conceito, mas, desta vez, o resultado final não foi tão bem aceite como os seus trabalhos anteriores.

Roger Waters – Amused to Death (1992)

Contra tudo e contra todos, Roger Waters entrega ao público em 1992 um disco conceptual quando o formato estava completamente morto e enterrado. Talvez o mais marcante da sua carreira a solo.

Roger Waters – The Pros and Cons of Hitch Hiking (1984)

Os fantasmas de Roger Waters ganham aqui forma: uma crise de meia-idade; a autópsia de um casamento a ruir; a traição, o desejo e a culpa. Uma revelação lúcida dos “segredos dos locais, que no fundo são iguais em todos nós.”

“Wait For Her” – Roger Waters

“Wait for Her” é uma canção de amor em tempos da guerra.

Pink Floyd – The Division Bell (1994)

The Division Bell é um pastiche interminável (na verdade tem 66 minutos) que representa a maior nódoa no currículo dos Pink Floyd. Ainda pior do que A Momentary Lapse of Reason.

Pink Floyd – A Momentary Lapse of Reason (1987)

Em 1987, sem Waters no comando, David Gilmour assume as rédeas e transforma uma banda de culto num monstro de estádios mas faz os Pink Floyd aproximarem-se perigosamente dos fãs de U2 e Dire Straits.

“The Tide Is Turning (After Live Aid)” – Roger Waters

Retirada de Radio K.A.O.S., o seu segundo disco de originais, “The Tide Is Turning” é, porventura, uma das músicas mais optimistas de Roger Waters.

Pink Floyd – Animals (1977)

Entalado entre Wish You Were Here e The Wall, Animals é um disco duro e violento, mas que merece o seu lugar entre os melhores da discografia dos Pink Floyd.

Pink Floyd – Meddle (1971)

Quando se ouve Meddle e, principalmente, a faixa “Echoes” percebemos até onde nos estamos a aproximar do verdadeiro som dos Pink Floyd. A frase pertence a David Gilmour, inserida DVD comemorativo do trigésimo aniversário de Dark Side of the Moon,…

Pink Floyd – Ummagumma (1969)

Sem Barrett, os Pink Floyd estavam à beira do abismo. Ummagumma foi um tiro no escuro que, apesar de não ter sido muito bem sucedido, foi o primeiro passo para um futuro glorioso. Em 1969 os Pink Floyd estavam num…

Playlist da Semana: Pink “Waters” Floyd

Em homenagem à mente criativa dos Pink Floyd, escolhemos uma selecção de canções escritas e cantadas por por Roger Waters, tanto de Floyd como a solo. Será, certamente, uma bela viagem.

Jonathan Wilson – Rare Birds (2018)

Ao terceiro capítulo, Jonathan Wilson acrescenta ao seu rock clássico algumas incursões sobre o soft rock. As canções continuam belíssimas mas a sua desmedida ambição prega-lhe algumas rasteiras.

Os 20 melhores discos de 2017

Estas são as escolhas da nossa redacção. Os 20 melhores discos do ano.

Benjamin Clementine – I Tell a Fly (2017)

Benjamin Clementine aprofunda a teatralidade da sua música numa reflexão sobre a xenofobia na Europa. O resultado é uma obra tão excêntrica como comovente. 

“Picture That” – Roger Waters

Uma música profunda, tensa e urgente, que poderia ter saído do cardápio dos próprios Pink Floyd.

Roger Waters – Is This the Life We Really Want? (2017)

O “homem mais zangado do rock” regressa com um disco profundamente político, uma obra maior que não tem medo de, musicalmente, recuperar algumas das muitas forças dos Pink Floyd.