The Comet is Coming – Trust in the Lifeforce of the Deep Mystery (2019)

É o seu sentido poético fora do comum que tudo ordena, com elegância e sensibilidade. Não é jazz ou electrónica, é pura poesia.

Jakuzi – Fantezi Müsik (2017)

Antes de mais, o synthpop turco é real. Fugiu para o mundo da luz em 2017 com Fantezi Müsik e está aqui.

Klaus Johann Grobe – Du Bist So Symmetrisch (2018)

A fórmula do ritmo kraut com a humanidade funk está mais afinada que nunca, neste terceiro disco dos suíços Klaus Johann Grobe

Can – Tago Mago (1971)

Os Can são a típica banda krautrock: eruditos e libertários, fazendo filtros para os joints com as pautas do Conservatório.

Jacco Gardner – Somnium (2018)

Ao terceiro disco, Jacco Gardner esquece as palavras e dá-nos uma viagem pelo seu mundo em modo ambiente. O percurso é satisfatório mas sabe a pouco.

Flotus – Lambchop (2016)

Este disco pode ser a cura de todos os males. Dita assim, a frase encerra uma verdade tão absoluta que nem mesmo alguma desonestidade que nela vai expressa lhe retira o essencial: o novo disco dos Lambchop veio para nos…

Klaus Johann Grobe – Spagat der Liebe (2016)

Spagat der Liebe, disco deliciosamente retro, é uma combinação psicadélica irresistível e uma das grandes surpresas deste ano.

Canção do dia: Leb’Wohl – Neu!

Estamos em 1975. Ano de ouro pelos lados germânicos. Depois de andar às voltas pelos Cluster e pelos Harmonia, Michael Rother volta para o seu anterior companheiro de banda Klaus Dinger para gravarem aquele que é por muitos considerado a obra-prima…

Como um gato do Japão: as sete vidas que Bowie nos deu

Há tanta heterogeneidade no seu percurso – no estilo de vida, aparência, sexualidade, drugs of choice, música que fez – que parece que Bowie não viveu uma vida mas muitas, “like a cat from Japan”, como o próprio nos chamou a atenção em “Ziggy Stardust”.

DIIV – Is The Is Are (2016)

Em quatro anos muito muda: passa o secundário e parece que tudo começou há uma vida atrás. Para Zachary Cole Smith, em quatro anos passaram várias vidas. Depois de tocar em bandas como Darwin Deez ou Beach Fossils, Smith decidiu…

µ-Ziq – XTLP (2015)

O inglês Mike Paradinas é um weirdo. Desde sempre apaixonado pelas electrónicas, passou boa parte dos anos 80 a seguir as passadas das bandas new wave que reinavam então em Inglaterra, passando depois aos teclados enquanto músico. Mas a sua…

Public Service Broadcasting – The Race for Space (2015)

Os Public Service Broadcasting são um duo inglês que gosta de se fechar no estúdio e, com base num conceito, encontrar os sons que nele façam sentido. Foi assim com o disco de estreia, de 2013, e volta a suceder agora,…

Foxygen – …And Star Power (2014)

Rock psicadélico calminho e simpático, bom para um final de tarde verão a descer a costa Alentejana: foi assim que o duo californiano Foxygen se mostrou, em 2013, no seu segundo álbum We Are the 21st Century Ambassadors of Peace…

Camera – Remember I Was Carbon Dioxide (2014)

O kraut alemão dos anos 70 continua a mostrar a sua força. São muitas as bandas que vão surgindo nos dias de hoje e que transportam consigo o fascínio desse longínquo e prolífico período da história do rock europeu. Aliás,…

Reportagem: Capitão Fausto || Musicbox

Vamos situar-nos: quarto dia de Outono, dez minutos desde o começo do dia, ano da graça de 2014.  Os Capitão Fausto continuam em digressão com o seu último Pesar O Sol na bagagem. E estão no seu prime of life. Se há…

Altamont Entrevista: Mogwai

Por entre boa música e sacos/manta desdobráveis fomos ao enlameado backstage do palco principal falar com um dos nomes maiores do cartaz deste NOS Primavera Sound que acabou e deixou saudades. Stuart Braithwaite, dos escoceses Mogwai, trocou uns curtos dedos…

Fujiya & Miyagi com novo disco a 5 de Maio

Os Fujiya & Miyagi anunciaram que irão lançar um novo disco no próximo dia 5 de Maio. Artificial Sweeteners será o mais recente trabalho da banda de pop electrónico desde Ventriloquizzing, saído já em 2011. O disco fala-nos mais em esperança…

Julian Cope – Krautrocksampler: One Head’s Guide to the Great Kosmische Musik – 1968 Onwards

Quando em meados do ano passado fiz a minha estreia no Altamont, estava longe de imaginar que um artigo sobre Krautrock (o terceiro que redigi para este site) pudesse suscitar tamanho interesse nesta maravilhosa massa adepta que nos acompanha. Fi-lo…