Moebius & Plank – Rastakraut Pasta (1980)

Rastakraut Pasta é um álbum relativamente curto. Trinta e cinco minutos, e está feita a farra.

Neu! – Neu! 75 (1975)

Neu! 75, terceiro álbum do duo de Dusseldörf, é a sua incontestável obra-prima. Contemplativa no lado A, mas zangada no lado B, lança pistas em todas as direcções. Um farol para a música ambiente e para o pós-punk.

King Gizzard & The Lizard Wizard – Butterfly 3000 (2021)

O décimo-oitavo disco dos King Gizzard & the Lizard Wizard, Butterfly 3000, é dominado por sintetizadores, arpejos orientais e um psicadelismo saltitante e feliz. Mais um tiro certeiro, para não variar.

Hawkwind – In Search of Space (1971)

O segundo dos Hawkwind, In Search of Space, é o disco-manifesto que apresenta o space rock. Psicadelismo lento, pesado e hipnótico. Como uma nave gigante à deriva no espaço.

Deutsche Elektronische Musik 4 – Experimental German Rock and Electronic Music 1971-83 (2020)

Ouvir como quem petisca. Uns CAN de aperitivo, depois uns Harmonia deluxe com uma pitada de Schnitzler a acompanhar, seguido de um faustoso cardápio para todos os gostos. Não há melhor banquete! Tudo isto servido neste Deutsche Elektronische Musik 4 pronto a servir.

Bent Arcana – Bent Arcana (2020)

Bebendo da fonte de Miles Davis no período elétrico, krautrock e rock psicadélico, John Dwyer reúne alguns dos seus colaboradores favoritos para partir numa viagem interestelar.

Stereolab – Dots and Loops (1997)

Dots and Loops é hipnótico, elegante e fresco, e o melhor disco de uma grande banda

Quadra – Chili (2019)

Os Quadra trazem-nos kraut e boa música instrumental rítmica directamente de Braga, servidos num saboroso Chili

The Comet is Coming – Trust in the Lifeforce of the Deep Mystery (2019)

É o seu sentido poético fora do comum que tudo ordena, com elegância e sensibilidade. Não é jazz ou electrónica, é pura poesia.

Jakuzi – Fantezi Müsik (2017)

Antes de mais, o synthpop turco é real. Fugiu para o mundo da luz em 2017 com Fantezi Müsik e está aqui.

Klaus Johann Grobe – Du Bist So Symmetrisch (2018)

A fórmula do ritmo kraut com a humanidade funk está mais afinada que nunca, neste terceiro disco dos suíços Klaus Johann Grobe

Can – Tago Mago (1971)

Os Can são a típica banda krautrock: eruditos e libertários, fazendo filtros para os joints com as pautas do Conservatório.

Jacco Gardner – Somnium (2018)

Ao terceiro disco, Jacco Gardner esquece as palavras e dá-nos uma viagem pelo seu mundo em modo ambiente. O percurso é satisfatório mas sabe a pouco.

Flotus – Lambchop (2016)

Este disco pode ser a cura de todos os males. Dita assim, a frase encerra uma verdade tão absoluta que nem mesmo alguma desonestidade que nela vai expressa lhe retira o essencial: o novo disco dos Lambchop veio para nos…

Klaus Johann Grobe – Spagat der Liebe (2016)

Spagat der Liebe, disco deliciosamente retro, é uma combinação psicadélica irresistível e uma das grandes surpresas deste ano.

Canção do dia: Leb’Wohl – Neu!

Estamos em 1975. Ano de ouro pelos lados germânicos. Depois de andar às voltas pelos Cluster e pelos Harmonia, Michael Rother volta para o seu anterior companheiro de banda Klaus Dinger para gravarem aquele que é por muitos considerado a obra-prima…

Como um gato do Japão: as sete vidas que Bowie nos deu

Há tanta heterogeneidade no seu percurso – no estilo de vida, aparência, sexualidade, drugs of choice, música que fez – que parece que Bowie não viveu uma vida mas muitas, “like a cat from Japan”, como o próprio nos chamou a atenção em “Ziggy Stardust”.

DIIV – Is The Is Are (2016)

Em quatro anos muito muda: passa o secundário e parece que tudo começou há uma vida atrás. Para Zachary Cole Smith, em quatro anos passaram várias vidas. Depois de tocar em bandas como Darwin Deez ou Beach Fossils, Smith decidiu…