Aldous Harding – Warm Chris (2022)

O quarto disco de Aldous Harding, Warm Chris, é uma obra-prima do folk esquisito. A nossa neozelandeza favorita não tem uma voz bonita: tem mil vozes bonitas, mil personagens.

Bill Callahan & Bonnie Prince Billy – Blind Date Party (2021)

Blind Date Party é um disco longo, cheio de boas surpresas e de grandes momentos, que passa num instante e que apetece ouvir muitas vezes.

The Velvet Underground – The Velvet Underground (1969)

Um novo início, após um reset à máquina velvetiana, resultou num disco sólido e delicioso – eis The Velvet Underground.

Velvet Underground – White Light/White Heat (1968)

Ainda as flower girls de Manson não haviam cortado Sharon Tate em pedacinhos, já os Velvet suspeitavam que havia algo de profundamente pueril na utopia hippie. White Light/White Heat nem chega a ser desencantado porque nunca teve ilusões.

Pulp – This Is Hardcore (1998)

Sexo, drogas e vazio espiritual…

Lou Reed – Transformer (1972)

O álbum charneira da carreira a solo de Reed fica para a história do rock como uma peça vital. Neste momento, em que escrevemos estas palavras, no ano da santa graça de dois mil e vinte, a imagem que reside…

Ezra Furman – Twelve Nudes (2019)

Voz cheia de distorção, gritos, reacção e crueza. Ezra Furman regressou com Twelve Nudes e talvez não seja nada do que estão à espera.

Stereo Total – Ah! Quel Cinéma! (2019)

Se a intenção for entrar na onda da diversão proposta, nada é melhor do que os Stereo Total. Eles estão de regresso com Ah! Quel Cinéma! e ainda bem. Já tínhamos saudades dos poliglotismos linguísticos e rítmicos de Françoise Cactus e Brezel Göring.

“Crazy Feeling” – Lou Reed

“Crazy Feeling” faz as honras do dia.

Sunflower Bean: antes dos vinte-e-dois, em castanho

Os Sunflower Bean falaram do incrível “Human Ceremony”, do tempo, de ser fãs dos clássicos, do ano de 2013, de que música devemos dar a crianças, de quantos concertos tocaram e de ser a banda mais fixe que há.

Tim Darcy – Saturday Night (2017)

Tim Darcy, vocalista e líder dos canadianos Ought, resolveu gravar projectos que foi deixando de parte, juntando-os para o seu primeiro disco a solo e o resultado é melhor que a soma das suas partes.

Beck – Midnite Vultures (1999)

Já estrela no rock alternativo e embalado por Odelay e Mutations, até hoje tidos como dois dos seus melhores discos, imaginamos a angústia.

“Can I Kick It?” – A Tribe Called Quest

Canção do dia: “Can I Kick It?” – A Tribe Called Quest

“I’ll Be Your Mirror” – The Velvet Underground

Foi no final dos anos sessenta que os Velvet editaram o famosíssimo álbum da banana que aproximou muita gente por este mundo fora. De seu nome, The Velvet Underground & Nico, disco de estreia desta que é uma das melhores…

“Romeo Had Juliette” – Lou Reed

Reed, depois de alguns baixos na sua carreira a solo recuperou a mística, muito graças à sua amada cidade. “Romeo Had Juliette” é no fundo a primeira desculpa para se voltar a ouvir um disco extraordinário.

Discografia remasterizada de Lou Reed vai ser editada em outubro

Foi anunciado que uma vasta parte da discografia de Lou Reed vai ser reeditada em versão remasterizada pelo próprio artista. 14 dos álbuns de estúdio do músico e ainda dois ao vivo, serão assim reeditados no próximo mês de outubro, dois…

Brian Eno – The Ship (2016)

Sou um admirador incondicional de Brian Eno e da sua vasta obra, mesmo quando grava (ou gravou) discos que considero de menor ou até mesmo residual interesse. É um mago, um pioneiro, um artista multifacetado, sempre uns bons quilómetros à…

Como um gato do Japão: as sete vidas que Bowie nos deu

Há tanta heterogeneidade no seu percurso – no estilo de vida, aparência, sexualidade, drugs of choice, música que fez – que parece que Bowie não viveu uma vida mas muitas, “like a cat from Japan”, como o próprio nos chamou a atenção em “Ziggy Stardust”.