“El Invento” é o tema que marca o regresso de José González

“El Invento” é a primeira canção que o cantor e compositor sueco compôs em espanhol para homenagear as suas raízes.

“Stay Alive” – José Gonzalez

“Dawn is coming. Open your eyes. Look into the sun as the new days rise.”

José Gonzalez || Aula Magna

Na última quarta-feira, a plateia da Aula Magna deixou-se embeiçar pelo indie-folk romântico de José González. Uma noite onde a música se encarregou de reunir, num surto introspectivo, as recordações dos que por ali buscavam ouvir-se ou compreender-se naqueles versos.

José González é um nome que já nos é familiar, mas é a sua voz que torna inconfundível. Dois anos volvidos desde o lançamento do último álbum Vestiges & Claws, que serviu de desculpa à sua anterior passagem pela capital, o músico regressou na quarta-feira passada a Lisboa para uma noite de casa quase-cheia na Aula Magna.

Surgindo tímido e desacompanhado, González esclareceu desde o início a diferença entre a concepção cliché do “gajo com a guitarra” e o artista singelo, fugindo sorrateiramente a esse estilo pré-definido. Pois bem, o também membro dos Junip não é um gajo qualquer: o seu característico tenor sussurrado e os seus acordes doces (ocasionalmente a fazer lembrar a densidade da guitarra de Norberto Lobo, por exemplo) disputam assim os corações do público mas é a fusão dos dois que o retira da lista de lugares-comuns da música.

O repertório escolhido não mostrou preferências entre álbuns, houve um pouco do mais recente, um tanto ou quanto de In Your Nature e um outro tanto de Veneer, o mais velhinho dos três LPs. Mas acabou por ser o público a decidir, com base nas mais audíveis reacções, que seriam Crosses ou Killing For Love, a par e par com as covers Heartbeats (The Knife) e Teardrop (Massive Attack), as últimas já reservadas para o encore.

Entre as faixas do alinhamento, é possível que alguém se perca entre sonoridade demasiado semelhantes, mas é também inegável a capacidade dessas mesmas canções guiarem os transeuntes do espectáculo por cenários idílicos, numa escuridão diferente da que cai sobre a Aula Magna. Aliando a sua herança sueca e a sua influência da Argentina (país de onde saiu com apenas um ano de vida), Gonzalez faz música embebida em memórias – suas e de outros passageiros desta vida. Talvez por isso, neste caso específico, o preferisse antes ver num contexto de festival (e acho que nem nunca preferi tal coisa), mas apenas para o poder ouvir num final de uma tarde de verão, arrefecida pelo pôr-do-sol.

Há uma quantidade generosa de engenho que o músico deposita na sua arte. E é assim, com maturidade nas suas palavras e doçura nas cordas, que José González nos proporciona uma noite nostálgica, que nunca chega a ser triste, porque temos sempre a sua voz para nos reconfortar.

José González regressa em maio a Portugal para quatro concertos

O amor de José González ao nosso país (e vice-versa) vai conhecer novos episódios. O sueco anunciou quatro novos concertos para o próximo mês de maio e estes terão um carácter mais intimista. O autor de Vestiges & Claw, de…

José González confirmado no Festival para Gente Sentada

Depois da brasileira Mallu Magalhães foi agora divulgado o segundo nome do cartaz do próximo festival para Gente Sentada. José González regressa ao nosso país, para actuar no evento que se realiza em Braga, depois de ter estado presente na última…

NOS Alive 2016 – Dia 3

Com o fim do terceiro dia, terminou também a décima edição do NOS Alive 2016. Três dias em enorme rotação, muitas horas de música e festa como só este Festival sabe proporcionar. Como nos dois anteriores, também ontem o cartaz…

Chemical Brothers e Hot Chip no NOS Alive

A Everything Is New acabou de confirmar mais um grande nome para o cartaz do NOS Alive deste ano. Trata-se dos Chemical Brothers, que actuarão no palco NOS, no primeiro dia do festival, ou seja, dia 7 de Julho. O…

José González no NOS Alive 2016

O Sueco José González é a nova confirmação do NOS Alive’16. O músico atua dia 09 de julho no Palco Heineken. Ao palco do festival José González vai levar temas dos três discos de originais, com principal enfoque para o…

Reportagem: NOS Primavera Sound 2015 – Dia 2

Segundo dia, sol na venta, a chuva amedrontou-se e fugiu. Mallu Magalhães, Marcelo Camelo e companhia (Banda do Mar) brilharam no palco NOS, pelas cinco da tarde, em perfeita sintonia com a estrela mãe. Canções deliciosas e doces retiradas do…

Junip – Junip (2013)

O novo álbum de Junip anda por caminhos tantas vezes pisados pelo seu mentor e voz do grupo, José Gonzalez. Admito não ser o seu fã número 1, nem passarei a sê-lo por culpa de Junip. Junip não é mais…

Álbum No Ouvido: Junip – Fields (2010)

A propósito de uma discussão sobre a qualidade, ou falta dela, de José González, um dos trunfos que usei para sublinhar a dita qualidade deste músico sueco com raízes argentinas, foi o da sua banda, Junip. Banda essa que recentemente…