“Murder Most Foul” – Bob Dylan

Um lindíssimo hino dedicado ao presidente dos direitos civis e a toda uma geração.

“Love Minus Zero/No Limit” – Bob Dylan

“Love Minus Zero/No Limit” é a declaração de amor de Bob Dylan que todos gostaríamos de receber.

Donovan – Sunshine Superman (1966)

Se, no início da carreira, Donovan era visto como a resposta britânica a Bob Dylan, em Sunshine Superman, o músico escocês mostra o seu lado pastoral e psicadélico, distanciando-se definitivamente da sombra do norte americano.

NOS Alive 2019 – Dia 2

O concerto dos Vampire Weekend era o mais esperado da noite. No entanto, os bons e velhos Primal Scream e Johnny Marr deram igualmente boa conta do recado. Um trio de ases de respeito a marcar o cartaz de mais uma longa maratona musical!

Morrissey – California Son (2019)

Morrissey deixa-se de parvoíces e dá-nos um disco de covers, mas a sua personalidade e o seu carisma acaba por desaparecer por entre as músicas dos outros

Kevin Morby – Oh My God (2019)

Depois de uma carta de amor a Nova Iorque, Morby vira-se para o divino.

“Maggie’s Farm” – Bob Dylan

E quando Dylan decidiu tocar “Maggie’s Farm” no santuário da música folk, acompanhado por uma banda eléctrica?

Bob Dylan – The Freewheelin’ Bob Dylan (1963)

É essa a importância histórica de Freewheelin’: ser o elo de ligação entre a modernidade beatnik e tudo o que veio a seguir.

Os olhos nas linhas de Steve Gunn

Foram duas, as vezes que o muito amável e respeitável Steve Gunn falou com o Made of Things/Altamont sobre o disco “Eyes on the Lines”. Com o lançamento recente do novo disco The Unseen in Between, relembramos o disco anterior…

Led Zeppelin – Led Zeppelin III (1970)

Com dois discos que estabeleceram um novo padrão na fusão de blues com rock pesado, os Led Zeppelin desdobram-se no seu terceiro disco, mostrando que também dominam o lado mais contemplativo da música.

Jeff Tweedy – WARM (2018)

WARM é composto canções ancoradas em guitarras e voz, bem escritas e bem cantadas, das mais sussurradas e comoventes pela vulnerabilidade às mais entusiásticas e comoventes pela procura de uma comunidade, de um encontro, de amor.

Ilustres Desconhecidos: Linda Perhacs

Esta é a história de Linda Perhacs, a de uma simples dentista de Beverly Hills que fazia música nos tempos livres.

Marianne Faithfull – Negative Capability (2018)

Marianne Faithfull voltou aos discos e vem em perfeita forma. Traz dor, nostalgia e solidão para nos oferecer. E nós, agradecidos por tamanha dádiva, ficamos felizes enquanto a ouvimos.

Ilustres Desconhecidos: Karen Dalton

É urgente conhecer Karen Dalton sozinha, como sempre se apresentou ao mundo, armada de uma guitarra, de um banjo, e de uma voz da qual não se esquece tão facilmente.

Bob Dylan || Altice Arena

Que enorme privilégio termos estado ontem a poucos metros de um ícone vivo, o qual, por mais que tente dessacralizar-se com quilos de misantropia e insolência, será sempre o primeiro entre os gigantes.

“Señor (Tales of Yankee Power)” – Bob Dylan

“O ponto alto do insípido Street Legal de ’78 é a melancólica “Señor, Dylan ainda chafurdando no desespero e na traição, imediatamente antes de ter sido tocado pelas mãos de Deus.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)