Canção do dia

“We The People Who Are Darker Than Blue” – Curtis Mayfield

Injustamente nem sempre tão lembrado quanto alguns dos seus contemporâneos, como por exemplo Marvin Gaye, Curtis Mayfield foi uma figura central da música norte-americana e da música negra dos anos 1970 em diante. E, mais do que isso — e algo importante por estes dias em que nos associamos ao movimento Black Lives Matter no Altamont —, foi alguém que na sua música não só criou canções e bandas sonoras instrumentalmente primorosas como cantou explicitamente, sem grandes freios, sobre os problemas sociais do seu tempo e da comunidade negra.

Curtis, o primeiro álbum a solo (de 1970) depois de uma passagem bem-sucedida pelo grupo The Impressions, revela que musicalmente era alguém que pensava um disco no seu todo e as canções em todos os detalhes, fruto de tocar numerosos instrumentos e ser também produtor musical. O álbum misturava baladas soul, elegantes, bem cantadas e com letras sumarentas, com um novo funk cósmico nos arranjos mas mais delicado na voz (por exemplo, do que o do mestre James Brown), cantado com ternura e coolness, levemente, mesmo quando as palavras eram ásperas. Nesta canção começa assim (e ninguém diria pelo belíssimo tom delicodoce da voz):

We people who are darker than blue
Are we gonna stand around this town
And let what others say come true?

E mais à frente cantará os versos decisivos:

If your mind could really see
You’d know your color the same as me
Pardon me, brother, as you stand in your glory
I know you won’t mind if I tell the whole story
Get yourself together, learn to know your side
Shall we commit our own genocide
Before you check out your mind?
I know we’ve all got problems
That’s why I’m here to say
Keep peace with me and I with you
Let me love in my own way
Comentários (0)

Escrever resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *