Reportagens

Royal Blood || Coliseu dos Recreios

Dois anos de existência um disco, um Brit Award e dois prémios do NME. Um baixo, uma bateria e a dose certa de atitude. “Não precisamos de mais ninguém na banda”, dizia, sem sinal de modéstia, Mike Kerr quando recentemente a Mojo lhe perguntou pela vida. Ao Coliseu os Royal Blood chegaram com o público conquistado. E no final de pouco mais de uma hora mais fãs tinham ganho. Não só a frase de Kerr se revelou acertada como a dupla deixava esperança – há quem esteja pronto para defender o rock.

Basta ouvir o disco para se arriscar – Ben Thatcher e Kerr cresceram a ouvir Queens of the Stone Age. A bateria é certeira e sempre balançada ao limite do rock, pesada mas não em demasia e nunca alegre ao ponto de fazer bailar a credibilidade rock. E do baixo, mesmo ao vivo, os riffs são dignos dos melhores momentos de Songs for the Deaf. No Coliseu, a dúvida nem era se a música era boa. O dilema era se o mais negligenciado dos instrumentos rock podia substituir a sacrosanta guitarra. Sim, pode.

Depois do Armazém F se ter revelado pequeno – em Novembro chegaram a reservar data – o Coliseu foi perfeito para Thatcher e Kerr. Sem nunca levantar o pé, sem deixar o público abrandar e sempre a puxar em iguais doses por bateria, baixo e pela considerável colecção de efeitos, a noite foi para confirmar suspeitas. O som pode não ser o mais original. Todos sabemos que são muitas as bandas que não chegam a cumprir as promessas do disco de estreia e que o rock pesado está longe de ser, nesta altura, o mais popular dos géneros. Ainda assim, a julgar pelo afinco com que o público cantou e pela energia descarregada do palco, tal como o disco, também uma hora de concerto dá para voltar a arriscar. Há mesmo mais uma grande banda de rock.

Foi sem encore que os Royal Blood fecharam a sua primeira digressão. Não que o público não o tivesse exigido – nem faltou o provinciano grito por Portugal -, não que lhes tivesse faltado energia. O problema é que o sucesso internacional logo ao disco de estreia, além de eventualmente efémero, traz amarras – o reportório de quem tem menos de uma hora de originais não dá para milagres, mas deu perfeitamente para matar as saudades de um real concerto de rock.

This slideshow requires JavaScript.

Fotos: Hugo Amaral

Comments (0)

Comente