Burial – Untrue (2007)

O segundo tomo de Burial, Untrue, é considerado por muitos como o melhor álbum de música electrónica do século XXI: opressivo e cinemático, sujo e comovente.

Flying Lotus – Cosmogramma (2010)

O terceiro disco de Flying Lotus leva a arte dos beats instrumentais para um novo patamar de sofisticação.

James Blake – James Blake (2011)

O álbum de estreia de James Blake traz algo que não se ouvia há muito tempo na pop: uma refrescante originalidade.

Billie Eilish – When We All Fall Asleep, Where Do We Go? (2019)

Ao longo da história da pop há sempre estes momentos em que as pessoas se fartam do excesso de artifício e reclamam um pouco de verdade. A verdade chegou e chama-se Billie.

Canção do dia: Rival Dealer – Burial

Burial sempre foi vulnerabilidade. Burial foi vulnerabilidade, Untrue foi vulnerabilidade. Vulnerabilidade dissimulada, vulnerabilidade encoberta, porém. “Distant Lights”, no álbum de estreia, adensa e enclausura, num exemplo paradigmático da ambiência burialiana, dessa que enegrecida, embrenhada em agressividades texturais e tensas contenções,…