Alexandre Pires
548 Articles0 Comentários

Nasci em terras de Vera Cruz, decorria ainda a década de 70. De pequenino me apercebi que estava destinado a grandes feitos e quis desde logo deixar a minha marca, começando por atravessar o Atlântico a nado. Dessa experiência guardo sobretudo água salgada nos ouvidos, água essa que me impediu de dar ouvidos ao meu pai que queria fazer de mim engenheiro. Hoje, quando me perguntam a profissão, não sei o que responder. Tenho vários chapéus que vou usando consoante a ocasião, desde economista proeminente a futebolista de sonho, de crítico de música amador a empreendedor visionário, de tenista de meia tigela a DJ concorrido, de amante cinéfilo a pai dedicado.

Marlon Williams || Lisboa ao Vivo

O que à partida seria um concerto, tornou-se num ápice numa pura e simples adoração colectiva de um fenómeno que não se dá a explicações.

GNR – Psicopátria (1986)

Com a entrada na CEE (que já tinha sido demandada pelos próprios GNR, cinco anos antes) o futuro estava já ao virar da esquina e Portugal teria a possibilidade de se tornar moderno.

“Pós-Modernos” – GNR

Pós-Modernos é pop vibrante, banda do Porto num dos seus momentos altos.

Tribalistas || Altice Arena

Tribalistas aterram finalmente em Portugal para mostrar o trabalho conjunto de três artistas maiores da música cantada em português. Viva o Brasil!

Playlist da Semana: Grupo Novo Rock esmiuçado

Esmiucemos portanto a carreira já longa dos GNR. Já levam 35 anos no bucho…

“Portugal na C.E.E.” – GNR

OS GNR apareciam com estrondo, aguçando o apetite para o que aí vinha.

Júlio Resende – Cinderella Cyborg (2018)

Dificílimo de descrever em palavras (como aliás qualquer um que esteja nesta linha de “trangressão” entre géneros), Cinderella Cyborg é um assombro de disco.

IDLES – Joy as an Act of Resistance (2018)

Em ano bastante positivo para o rock, os IDLES ajudam a puxar o barco, com um contributo visceral e intenso.

Jim James – Uniform Distortion (2018)

A guitarra é o principal ingrediente deste novo “prato” servido por Jim James.

Vodafone Paredes de Coura 2018 – dia 4

Dia final do Paredes de Coura de 2018 teve um pouco de tudo, e acabou em bonita festa dos Arcade Fire.

Vodafone Paredes de Coura 2018 – Dia 3

Noite mais tranquila, mas não menos intensa em Paredes de Coura, com Slowdive e Kevin Morby a arrebatarem um público insaciável.

Vodafone Paredes de Coura 2018 – Dia 2

Fugly, Shame e Tigerman incendiaram as hostes, enquanto os Japanese Breakfast e os Fleet Foxes encheram corações.

“Night Shift” – Lucy Dacus

Night Shift é uma excelente amostra de Lucy Dacus, artista a ter em atenção em Coura.

Vodafone Paredes de Coura 2018 – Dia 1

O primeiro dia do Vodafone Paredes de Coura 2018 foi um showcase de indie rock português e alguns dos nomes mais pesados do festival.

“If You Need To, Keep Time on Me” – Fleet Foxes

Canção de hoje tem de ser dos Fleet Foxes, que iluminarão a noite em Paredes de Coura.

“Haiti” – Arcade Fire

“Haiti” é uma pausa para respirar, refrear os ânimos, acalmar.

“Sugar for the Pill” – Slowdive

Canção do dia Altamont dos Slowdive.

Vem Aí Festival: Vodafone Paredes de Coura 2018

Eis que é chegado o feriado de 15 de Agosto, e com ele o festival mais apetecível de Portugal. À entrada para a 26ª edição do Festival Paredes de Coura houve estrondo e histeria, ao ser anunciada a presença de…