Alexandre Pires
685 Articles0 Comments

Nasci em terras de Vera Cruz, decorria ainda a década de 70. De pequenino me apercebi que estava destinado a grandes feitos e quis desde logo deixar a minha marca, começando por atravessar o Atlântico a nado. Dessa experiência guardo sobretudo água salgada nos ouvidos, água essa que me impediu de dar ouvidos ao meu pai que queria fazer de mim engenheiro. Hoje, quando me perguntam a profissão, não sei o que responder. Tenho vários chapéus que vou usando consoante a ocasião, desde economista proeminente a futebolista de sonho, de crítico de música amador a empreendedor visionário, de tenista de meia tigela a DJ concorrido, de amante cinéfilo a pai dedicado.

“RHODODENDRON” – Hurray for the Riff Raff

Os Hurray for the Riff Raff já por aí andam há uns anos (desde 2007) mas nunca os tinha apanhado, e o disco deste ano, LIFE ON EARTH tem tido considerável rotação por estas bandas. O destaque vai para esta…

“Babies” – Pulp

Como é possível que os Pulp nunca tenham vindo tocar a Lisboa? Tanta banda que se repete em festivais e concertos em nome próprio, ano após ano, e a banda de Jarvis seja esquecida? Inaceitável. Em Portugal estiveram duas vezes,…

“French Disko” – Stereolab

Incluído em Refried Ectoplasm (Switched On Volume 2), compilação de singles e raridades dos Stereolab, “French Disko” é incrível na sua combinação de voz delicada e doce de Laetitia Sadier com a abrasividade e ritmo que corre em fundo da…

Fumo Ninja || Lux

Noite quente cá fora, corações quentes lá dentro – os Fumo Ninja colocaram-se no lugar da Deusa e distribuíram chapadas em forma de groove ansiolítico pelo público que acorreu ao Lux para testemunhar Olhos de Cetim ao vivo e a cores.

Fumo Ninja – Olhos de Cetim (2022)

Mais um belo projecto fruto de pandemia, Olhos de Cetim é a estreia dos Fumo Ninja em disco. Urge descobri-los. Norberto Lobo, um dos mais prolíficos guitarristas da nossa praça, continua a criar belos recantos sonoros. Para lá da sua…

Fontaines D.C. – Skinty Fia (2022)

Ao terceiro disco a banda irlandesa parece ter encontrado o seu ponto de equilíbrio – entre punk mais visceral e shoegaze introvertido, entre aspereza e delicadeza, entre gritar na cara e falar ao ouvido. Uma das melhores faces da colheita…

Destroyer – LABYRINTHITIS (2022)

LABYRINTHITIS é mais um passo empolgante na evolução interminável de Destroyer, proporcionando uma algum deslumbramento e escolhas inesperadas, composição fraturada, mas mágica, da qual apenas Bejar é capaz.

“This Velvet Glove” – Red Hot Chili Peppers

Perdida lá para o final de Californication, escondida entre tanto single mainstream, está “This Velvet Glove”, uma bela cançoneta onde Kiedis deambula pelos seus demónios internos, pedindo ajuda a quem sabe de onde ele veio, a quem melhor o conhece.…

“Venice Queen” – Red Hot Chili Peppers

Muito provavelmente a música mais longa do catálogo dos Peppers, “Venice Queen” é mais uma das boas canções retiradas de By the Way. Arranca tranquila, parece que será apenas mais uma mera balada, mas vai ganhando aos poucos ritmo e…

“Suck My Kiss” – Red Hot Chili Peppers

Uma das grandes malhas de Blood Sugar Sex Magik, “Suck My Kiss” é suportada por (mais) uma linha incrível do baixo de Flea, ao qual Frusciante adiciona o seu estilo hendrixiano. Conseguiu escapar dos holofotes encandeantes que cairam sobre “Under…

Red Hot Chili Peppers – Mother’s Milk (1989)

“Higher Ground” e “Fire”, de Stevie Wonder e Jimi Hendrix, respectivamente, foram reavivadas com aquele toque funk que só os Chili Peppers sabem fazer.

“Tearjerker” – Red Hot Chili Peppers

Perdida lá para o meio de One Hot Minute, Tearjerker é uma das mais sentidas homenagens que foram feitas a Kurt Cobain. Kiedis descreve o impacto que a morte de Cobain teve nele, dedicando-lhe uma canção carregada de emoção e…

Playlist da Semana: This is Red Hot Chili Peppers

Dedicaremos as próximas duas semanas a uma banda inventiva, problemática, marcante – os californianos Red Hot Chili Peppers.

The Stooges – The Stooges (1969)

The Stooges é um marco desse longíquo ano em que Armstrong pisou o solo lunar. Nada foi igual desde então.

Goodbye, ÖLGA – Goodbye, ÖLGA (2022)

É de salutar haver bandas a fazer a prova de vida que o rock precisa, em Portugal é um género algo descurado nos últimos tempos havendo poucas bandas a ajudarem na frente de “combate”.

Foo Fighters – Foo Fighters (1995)

Neste primeiro álbum, Grohl mostrou uma habilidade notável para equilibrar melodia e caos.

Um dos mais resistentes sucumbiu: Mark Lanegan (1964-2022)

A notícia atingiu-nos ontem, já perto do fim do dia, através de uma publicação na sua conta pessoal de twitter – faleceu Mark Lanegan. Com 57 anos e uma contribuição inolvidável para o rock alternativo, o cantor norte-americano sucumbiu em…

Goodbye, ÖLGA assinalam 20 anos de carreira

Os lisboetas Goodbye, ÖLGA (conhecidos anteriormente como ÖLGA), comemoram os seus vinte anos de existência com o lançamento de um álbum duplo, de título homónimo, no próximo dia 11 de Fevereiro. Neste regresso às lides a banda apresenta-se com ligeira…