Como morre uma roda de samba

Parodiando o poeta Paulo Mendes Campos, rodas de samba nascem, vivem, parecem eternas a um determinado momento, e morrem. Morrem numa segunda-feira.