8.5/10
Luís Severo – O Sol Voltou (2019)

Onde Luís Severo era citadino, bem-disposto e orelhudo, O Sol Voltou é pastoral, melancólico e deliciosamente esquivo.

8,5/10
Niki Moss – Gooey (2019)

Gooey é o primeiro álbum de Miguel Vilhena a solo, sob o nome Niki Moss. Não sendo um nome que à partida desperte muita simpatia, já que remete imediatamente para coisas verdes que se agarram a árvores e pedras, parece ser uma homenagem a dois pilotos de F1, o que vale logo um ponto nesta corrida por discos do ano.

8.5/10
Lena d’Água – Desalmadamente (2019)

Um grande disco pop: fresco, soalheiro e divertido. Sabe a Rita Lee e a algodão doce, a Entre-Aspas e a calippo de limão, a Clã e melancia no Verão.

4.5/10
Jasmim – O Culto da Brisa (2019)

O folk psicadélico de Jasmim é ideal para um dia calmo e contemplativo e mostra que Brás Teixeira procura um espaço diferente do universo sonoro dos Mighty Sands.

José Afonso – José Afonso ao Vivo (2019)

Zeca em Coimbra em 1968. Zeca em Carreço em 1980. Dois concertos inéditos agora publicados pela Tradisom. A história da música portuguesa a acontecer.

“Por Este Rio Acima”: como uma tuna, um coro e um grupo etnográfico se juntaram para recriar o álbum seminal de Fausto

O Altamont foi falar com Buga Lopes, Constança Ochoa e Daniel Chichorro para perceber todo o trabalho por trás desta recriação de “Por Este Rio Acima”.

Novo disco das Anarchicks, Loose Ends, sai a 17 de Abril

O terceiro álbum das Anarchicks, Loose Ends, sai no próximo dia 17 de Abril. É…

8/10
Manel Cruz – Vida Nova (2019)

Isto não é uma análise a um disco, isto é admiração sem vergonha e uma declaração de amor platónico.

7/10
Capitão Fausto – A Invenção do Dia Claro (2019)

Afinal, não tinham os dias contados. Foi uma boa mentira dos meninos que começaram a fazer indie rock, voltaram-se depois para o psicadelismo e acabaram por encontrar um lugar onde se sentem bem. Chamam-se Capitão Fausto e, ao que parece, estão bem vivos!

9/10
Xutos & Pontapés – Duro (2019)

O projecto começado há uns anos atrás com Puro vê agora o seu epílogo com Duro num refinamento de qualidade e reafirmação de posições extremamente bem acolhido tanto pelo público como pela crítica.

9/10
Montanhas Azuis – Ilha de Plástico (2019)

Três músicos, três sensibilidades, três sintetizadores. O disco do ano chegou em Fevereiro.

8/10
Stereossauro – Bairro da Ponte (2019)

Já não vivemos um país de três F mas talvez, como canta Sr. Preto em FFFFF, “fado, futebol, fátima, festivais e fest, tudo é pop, tudo é hype, tudo é fado”.

7.5/10
Zanibar Aliens – III (2018)

Ao terceiro disco, os Zanibar Aliens esticam as asas para algumas novas paisagens sonoras, sem perder o puro sangue rock que sempre os caracterizou

Medeiros/Lucas – Sol de Março (2018)

Apesar de continuarem a cantar a tradição açoriana, em Sol de Março Pedro Lucas e Carlos Medeiros fazem um piscar de olhos a África e à Europa, porque cantar e experimentar continua a não incomodar a dupla.

8.5/10
Filho da Mãe – Água-Má (2018)

Lançado em maio, Água-má é o quarto álbum do guitarrista Rui Carvalho. Gravado entre o continente e a Madeira, é um disco complexo e que se vai desvendando aos poucos.

7.5/10
David Bruno – O Último Tango em Mafamude (2018)

David Bruno tece uma ode musical ao Portugal suburbano do início dos anos 90, num disco intrigante que mistura vulgaridade romântica com uma elegância inesperada.

7.5/10
António Zambujo – Do Avesso (2018)

Dizem que a beleza está na simplicidade, mas como fazer música simples e cativante? Telefonem ao Zambujo a perguntar.

8.5/10
Glockenwise – Plástico (2018)

Em suma, estamos perante um dos mais belos discos desta geração do rock nacional desta geração.