5/10
Hinds – I Don’t Run (2018)

São canções com cobertura de açúcar, mas um interior agridoce. As Hinds estão mais crescidas…

8/10
Courtney Barnett – Tell Me How You Really Feel (2018)

Ensonada e querida como um coala constipado, Courtney desceu do seu eucalipto para nos entregar mais um grande disco. Quando todas as notas e palavras estão certas, não há como não lhe perdoar o desencanto que agora nos traz.

8.5/10
Kali Uchis – Isolation (2018)

Uchis estreou-se com um álbum digno de estrelas, porque ela própria nasceu para ser uma.

8/10
José Mário Branco – Inéditos 1967-1999 (2018)

José Mário Branco traz-nos em “Inéditos (1967-1999)” um exercício aventureiro que nos leva das cantigas de amigo ao ié-ié.

8/10
Caetano Moreno Zeca Tom Veloso – Ofertório (Ao Vivo) (2018)

Uma voz que nos toca, que nos penetra, uma voz que faz parte de nós.

8.5/10
Stephen Malkmus & The Jicks – Sparkle Hard (2018)

O homem que sempre compôs e tocou de forma a não parecer estar a esforçar-se demasiado mantém esse charme juvenil, mas o resultado é mais adulto.

7.5/10
X-Wife – X-Wife (2018)

Ao quinto disco, os X-Wife montam uma festa dos diabos. Que venha o Verão, que a banda sonora já chegou.

8.0/10
Parquet Courts – Wide Awake (2018)

O que têm em comum o Rinoceronte-de-java, o Lêmure-do-norte, o Leopardo-de-amur, e quatro tipos em banda com guitarras?

6/10
Twin Shadow – Caer (2018)

Caer é um álbum que surge numa fase de recuperação de George Lewis Jr. Uma tentativa de “standing tall” por parte do músico americano.

8/10
Grouper – Grid of Points (2018)

Um bálsamo que se nos entra pelos ouvidos e se instala de forma contundente em…

6.5/10
Unknown Mortal Orchestra – Sex & Food (2018)

Os Unknown Mortal Orchestra não deixam de fascinar, mas perdem alguma da definição que lhes vinha trazendo progressivamente novos fãs.

8/10
Eels – The Deconstruction (2018)

Ao 12º álbum, Mr. E. surpreende com The Descontruction e suspeita-se que seja dos mais inspirados dos últimos anos.

8/10
Arctic Monkeys – Tranquility Base Hotel & Casino (2018)

À primeira audição, o sexto álbum de Arctic Monkeys tem muito pouco dos miúdos de Sheffield. Mas os miúdos cresceram e trazem-nos um disco adulto, denso e seguro.

5/10
Amen Dunes – Freedom (2018)

Freedom é, assim, como se costuma dizer, um álbum para todos – ou seja, um álbum para ninguém.

7/10
Stone Temple Pilots – Stone Temple Pilots (2018)

Um disco rock honesto, de uma banda que parece resistir a tudo. Só para fãs, mas ainda assim um álbum meritório.

7.5/10
Mount Eerie – Now Only (2018)

O mais recente trabalho de Mount Eerie parece mais um livro do que um disco.

6.5/10
The Breeders – All Nerve (2018)

Os Breeders regressam com um disco sólido e no qual a sua voz é encontrada sem qualquer dificuldade, embora faltem malhas que prometam ficar na história do indie-rock.

5/10
The Men – Drift (2018)

Um disco agradável de se ouvir mas que muito pouco acrescenta a quem conheça minimamente os géneros explorados pela banda.