Reportagens

Swans || Lisboa ao Vivo

Num concerto que soube a despedida, os Swans presentearam-nos com três horas de sadismo e espiritualidade. Quase que vomitámos com o volume tão alto mas enchemos a nossa alma de transbordante infinito.

Os Swans, na sua actual formação, estão prestes a acabar. O concerto de segunda-feira no Lisboa ao Vivo teve o travo amargo de uma despedida. Foi então com particular estoicismo que enfrentámos o habitual massacre sónico dos Swans, centenas de decibéis trucidando os nossos intrépidos tímpanos. Porque a espiritualidade tem sempre um preço, que no caso da banda de Michael Gira é paga em lesões irreversíveis no ouvido interno. Nunca venderíamos a nossa acuidade auditiva por menos do que a pura transcendência.

Os temas dos últimos álbuns dominaram, mantras hipnóticos de budismo negro, incitações zen ao ódio e à guerra. No início, um éter de sons onde nada acontece vai substituindo o oxigénio da sala, transformando-se aos poucos no novo ar que respiramos. Se neste período adormecermos com o tédio, não faz mal: a explosão infernal que se segue encarregar-se-á de nos acordar. É esta a nossa parte preferida, quando Gira orquestra com precisão germânica o ataque do mesmo violento acorde perpetrado em simultâneo por todos os músicos, como se uma bola de demolição esmagasse sucessivamente a nossa cabeça. Só então percebemos a essência dos Swans: são o som em estado puro, chegando ao nosso corpo já não como uma intocável onda electromagnética, mas sim como uma substância tão corpórea e maciça como uma bigorna de ferro- um som que podemos agarrar, um som que nos pode aniquilar.

Mais vale ser cortado aos pedaços pelos Swans do que ser acarinhado por outra banda qualquer.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotografias de Inês Silva

Artigo Anterior
EDP Vilar de Mouros 2017
Próximo Artigo
OUT.FEST 2017