Canção do dia

“Mulher do Fim do Mundo” – Elza Soares

Já vai completar um ano desde que Elza Soares graciou a última edição do NOS
Primavera Sound com a sua presença hipnotizante, anciã sentada em cima de um
trono que exige imediata atenção de quem a rodeia. Na altura, promovia o seu
disco de “renascimento”, A Mulher do Fim do Mundo, de 2015, álbum no qual canta
os horrores e fantasmas de uma sociedade brasileira que não acolhe todos, e que ela,
enquanto mulher negra, pobre, da periferia, se sente na capacidade de relatar. E
assim começa, quase em tom de aviso, no tema que dá nome ao mesmo: a instrumentação rica de orquestra e percussão eleva a sua voz rouca, cansada de dizer o mesmo mas mesmo assim forte, resistente. No final, o momento mais arrepiante – os instrumentos vão piando mais baixinho enquanto Elza não pede, mas declara: “eu vou cantar até ao fim”. E canta, triunfante, até quase gargarejar as notas, mas nunca pára até sentir que tem de se calar; e nós ouvimos, sempre, a sua voz que carrega tanta dor e sofrimento, mas tanta força e resignação que sabemos que vamos ouvir até ao fim, sem desejar que ele chegue.