Reportagens

Fennesz e Lillevan || Teatro Municipal Maria Matos

Malher Remixed surgiu inesperadamente de um convite à dança excedida para lá da música e da poesia.

Pela insistência sonora e transfronteiriça a que Fennesz se causava, não me parece justo que sirva este texto para expôr analiticamente a reinterpretção conjunta que – com Lillevan – fez das sinfonias de Gustav Mahler. Prefiro causar-me às sensações várias que o som em breves e largas loop layers de excertos e passagens – algumas até irreconhecíveis – de sinfonias de Mahler me causou.

A impressão electrónica que Fennesz incutia nas orquestrações oitocentistas sugeria-se-nos inequívoca. Talvez, poucos homens serão capazes de se inteirarem com tanto fôlego e ânimo do peso e da volumetria sonoras de Mahler.  A exploração sonora perfilhou-se em si mesma, cuidando da atenta desconstrução binária dos pares estéticos.

Enredou-se-nos o juízo por entre o noise, o erro e o acerto do que era expirado, e a repetição, o repousado equilíbrio sonoro harmonioso; imóveis encontrávamo-nos antes do êxtase sonoro que se nos impunha. A guitarra não se reservou ao seu estado instrumental, antes, serviu-lhe de cinzel escultórico à airosidade orquestrada de Mahler. A elegância com que – através do consciente manuseamento de tons reverberados – dançava vagarosamente para lá da própria música e da poesia sugeria-se-nos genuína e ímpar.

Ordens ascensionais de coros angélicos entoados para lá do que era humanamente reconhecível: sonhávamos alegres e contentes, comprometidos à promessa que o engenho electrónico firmava. O tórrido ruído desinquietava-nos pela eletrificação consciente do limbic state em que entrámos: entre o sono e o sonho – humanos e, por isso, frágeis.

Lillevan serviu para corporizar a representação discursiva de Fennesz; a tela engrandecia-se entre cores gélidas e fervorosas, abstractas e de difícil atribuição linear de sentido e matéria, livres da possibilidade de auto-engano, definiam-nos sem distanciamento algum.

O sonho fez-se num estado flutuante entre estados representativos do êxtase sonora e da voragem imagética. Fennesz e Lillevan, recorrendo a Foucault, são o resultado da história e transpõem-se, como tal, para uma instância discursiva em que o expectável se esgota, ressurgindo, por último, na obliquidade infinda do ser humano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotografias gentilmente cedidas por José Frade

Artigo Anterior
Capote Fest 2017
Próximo Artigo
Bong || ZDB