Ilustres Desconhecidos: Nuno Canavarro

Em 1988, Nuno Canavarro lançou o seu único registo a solo até à data, Plux Quba: um disco demasiado esdrúxulo para um Portugal que ainda vivia no antigamente, mas que foi pacientemente construindo a sua audiência que ainda hoje por ele se apaixona.

Ilustres Desconhecidos: Midori Takada

Em 1983, quando lançou Through the Looking Glass, ninguém quis saber. 35 anos depois, com um empurrão da internet, tornou-se um dos maiores álbuns de culto do seu género, acarinhado por internautas e melómanos por todo o mundo.

Ilustres Desconhecidos: Linda Perhacs

Esta é a história de Linda Perhacs, a de uma simples dentista de Beverly Hills que fazia música nos tempos livres.

Como morre uma roda de samba

Parodiando o poeta Paulo Mendes Campos, rodas de samba nascem, vivem, parecem eternas a um determinado momento, e morrem. Morrem numa segunda-feira.

Especial Punk ’77

Regresso ao mítico ano de 1977 e ao que se fez no mesmo ao nível de discos integrados no movimento punk.

Ilustres Desconhecidos: Jackson C. Frank

Se a miséria opera para a maioria como uma brisa que vai fazendo as hélices girar lentamente, para Jackson C. Frank, atingiu-o como uma rajada de vento.

Ilustres Desconhecidos: William Onyeabor

“Quem é William Onyeabor?” foi, ao longo dos anos, uma questão repetida tão frequentemente por melómanos curiosos que se transformou no nome de um disco que pretendia responder à tal pergunta.

Em câmara lenta como na TV: a história dos GNR

Foram tudo: putos do boom do rock, patronos da intelligentsia alternativa, reis e rainhas da pop. Hoje são uma instituição.

Ilustres Desconhecidos: Karen Dalton

É urgente conhecer Karen Dalton sozinha, como sempre se apresentou ao mundo, armada de uma guitarra, de um banjo, e de uma voz da qual não se esquece tão facilmente.

Ilustres Desconhecidos: Daniel Johnston

A história de Johnston, ainda não sabemos muito bem qual é. Mas não é um mito, ou uma telenovela, ou uma epopeia. É real.

Viagens à boleia do som: o périplo musical de João Castro

Damas, Zé dos Bois, Banco, Desterro, Maria Matos, SMUP, etc.: se a nossa noite passar por algum destes sítios, o mais provável é que João Castro lá esteja.

Bom dia, tristeza: doçura e desespero em Elliott Smith

Nick Drake matou-se com comprimidos. Ian Curtis enforcou-se. Cobain deu um tiro na cabeça. Mas ao pé de Elliot Smith, que trinchou o seu próprio coração com um cutelo de cozinha, são todos uns meninos.

O que sempre senti e pensei sobre Ofertório, mas que nunca supus vir a escrever.

A propósito de Ofertório, espetáculo da família Veloso. Um pai, três filhos e memórias de um espírito santo que passou por mim.

not 4/4

O Altamont leva-nos a uma viagem descomplexada aos diferentes ritmos que populam no mundo pop/rock.

Os Pavement e o charme do desmazelo

O grande legado dos Pavement é mostrar-nos quanta beleza pode haver no inacabado, no desleixado, no descuidado. Como uma miúda gira acabada de acordar.

Os Fugly são um power-trio à antiga

Rock. Português, bem feito, com respostas na ponta da língua – ou do teclado, no caso. Falámos com os Fugly.

Roger Waters: há vida para além dos Floyd

Sozinho, Waters nunca conseguiu repetir a perfeição de um Dark Side of the Moon. Podia ser o principal criador dos Floyd mas a banda sempre foi muito maior do que o ego do seu baixista. Ainda assim, valeram bem a pena estes seus quatro belíssimos discos. É este o o percurso pós-Floyd que realmente queríamos? Claro que sim.

“Branco” mais Branco só há Cristina

Há disco novo, muitos convidados, elogios da crítica e aplausos do público.