Crosby, Stills, Nash & Young – Déjà Vu (1970)

De três passam a quarto. CSNY um dos supergrupos mais voláteis da história do Rock assinam a sua obra-prima logo à primeira tentativa.

Iggy & The Stooges – Raw Power (1973)

Iggy e seus comparsas estavam claramente à frente do seu tempo, e como tal, precisaram de um pouco mais até os restantes os perceberem.

Neil Young – After the Gold Rush (1970)

Em After the Gold Rush, Neil Young descobre-se pela primeira vez um melodista fora de série. São melodias memoráveis, umas atrás das outras, sem qualquer gordura no entremeio. Só filé mignon.

Neil Young – On the Beach (1974)

Depois do sucesso de Harvest, Neil Young precisou de se refugiar dos seus fãs e dos seus demónios. On the Beach é um documento desse exorcismo.

Pink Floyd – Animals (1977)

Entalado entre Wish You Were Here e The Wall, Animals é um disco duro e violento, mas que merece o seu lugar entre os melhores da discografia dos Pink Floyd.

Pink Floyd – Meddle (1971)

Quando se ouve Meddle e, principalmente, a faixa “Echoes” percebemos até onde nos estamos a…

Pink Floyd – Atom Heart Mother (1970)

Os Pink Floyd chegam ao inicio da década de 1970, apostados em continuar a experimentar. Saem os as canções psicadélicas da era-Barrett e entram as orquestras, os coros, o rock progressivo e as vacas.

Cheap Trick – Heaven Tonight (1978)

O melhor e mais equilibrado disco de estúdio dos Cheap Trick

Roxy Music – Roxy Music (1972)

Ouvir Roxy Music, o álbum de 1972, continua a valer muito a pena. É o que se espera de um clássico. Nem mais, nem menos.

Raul Seixas – Krig-ha, Bandolo! (1973)

Krig-ha, Bandolo! é um álbum histórico. Raul Seixas, o mítico rocker  que começou a gravar música nos finais dos anos sessenta, é o autor desse pequeno milagre sonoro que hoje resolvemos recordar.

Jorge Ben – A Tábua de Esmeraldas (1974)

Um disco alquímico em tempos de férrea ditadura! Foi essa a proposta de Jorge Ben. A Tábua de Esmeraldas resistiu sem quaisquer rugas à passagem de mais de quarenta anos, garantindo, como poucos, o seu lugar na eternidade da música popular brasileira.

Bad Company – Bad Company (1974)

Uma banda simples, com um som simples, mas extremamente eficaz.

Marvin Gaye – What’s Going On (1971)

Golpe de estado na Motown. Marvin Gaye exige total controlo artístico sobre a sua obra. O crime compensa. What’s Going On é uma das sete maravilhas do mundo.

Steely Dan – Aja (1977)

Aja: O casamento quase perfeito entre o rock e o jazz

Ramones – Rocket to Russia (1977)

Os Beach Boys cheirando cola numa praia suja em Nova Iorque.

Tom Petty & The Heartbreakers – Damn The Torpedoes (1979)

Como Tom Petty disparou em todas as frentes, enfrentou a poderosa indústria discográfica e saiu vencedor.

The Clash – London Calling (1979)

O punk, já não como regulamento, mas sim como puro espírito.

Neil Young – Tonight’s the Night (1975)

Um manual de instruções para o luto no rock.