Ricardo Romano
396 Articles0 Comentários

"Um bom disco justifica sempre os meios”- defendeu-se Ricardo Romano, ao ser acusado de ter vendido o rim esquerdo da sua tia entrevada para comprar uma edição rara do Led Zeppelin II - o melhor disco de sempre. O juiz não se convenceu, mandando-o para uma prisão com condições desumanas, onde uma vez foi obrigado a ouvir do princípio ao fim um disco do Neil Diamond. Actualmente em liberdade, cumpre pena de trabalho a favor da comunidade no site Altamont mas a proximidade com boas colecções de discos não augura nada de bom.

Arcade Fire – Funeral (2004)

Porque é que Funeral é tão imenso, considerado por muitos como o disco da sua década? Pela sua originalidade? Pela sua beleza? Estamos em crer que a  resposta é outra: pela primazia quase fascista da emoção.

Bob Dylan || Altice Arena

Que enorme privilégio termos estado ontem a poucos metros de um ícone vivo, o qual, por mais que tente dessacralizar-se com quilos de misantropia e insolência, será sempre o primeiro entre os gigantes.

“The Book I Read” – Talking Heads

“Parei de ouvir David Byrne e seus compinchas nos anos 80 quando eles escolheram concentrar-se em fabricar pastiches funk yuppizados para brancos sem qualquer sentido de ritmo. Já esta (subestimada) canção do seu disco de estreia foi um dos meus temas favoritos de 1977.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)

“Tropical Hot Dog Night” – Captain Beefheart

“Este samba infeccioso e demente era a prova que me faltava para mostrar que Beefheart regressara por fim ao seu trono natural: o indiscutível rei da esquisitice.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)

“Señor (Tales of Yankee Power)” – Bob Dylan

“O ponto alto do insípido Street Legal de ’78 é a melancólica “Señor, Dylan ainda chafurdando no desespero e na traição, imediatamente antes de ter sido tocado pelas mãos de Deus.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)

Jonathan Wilson – Rare Birds (2018)

Ao terceiro capítulo, Jonathan Wilson acrescenta ao seu rock clássico algumas incursões sobre o soft rock. As canções continuam belíssimas mas a sua desmedida ambição prega-lhe algumas rasteiras.

“Domino” – The Cramps

“Os renegados rockabilly de Los Angeles conseguiram superar a própria versão original de Roy Orbison, com a sua medida certa de basófia psicótica.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)

“Watching The Detectives” – Elvis Costello

Um dos poucos exemplos de brancos que não fazem figura de parvo a tocar reggae.” (Nick Kent, “Apathy for the devil”, 2010)

Playlist da semana: Assobios

Esperemos que gostem da nossa selecção. E que vos despertem despreocupados assobios.

Quando Hendrix queima a guitarra

Porque precisamos de deuses e de mitos, Hendrix sacrificou-se por nós, imolando a sua guitarra no fogo de Monterey.  Nesse instante, tornou-se eterno.

Red Bull Music Culture Clash || Coliseu dos Recreios

Na passada sexta-feira, decorreu a segunda edição portuguesa da Red Bull Music Culture Clash. Quatro equipas, cada uma no seu palco, digladiaram-se num combate musical.

Belle and Sebastian – How To Solve Our Human Problems (2018)

Sob o pretexto de revisitarem o rock e a soul dos anos 60, bem como o prog e o disco dos anos 70, os Belle and Sebastian oferecem-nos mais um bonito disco, cheio de delicadeza e imaginação melódica.

The Legendary Tigerman || Lux

The Legendary Tigerman, agora em formato banda-a-sério, ofereceu-nos uma bonita noite de sujidade e rock’n’roll.

Vem aí a quarta edição do Festival Montes da Rock

Três bandas de rock musculado vão agitar, a partir das 22h, a bonita aldeia de Montes da Senhora: Patrulha do Purgatório, Asimov e Martin’s Gang.

Não tenhas vergonha, eu também gosto de disco sound

Bonita a história do nascimento, morte e ressurreição do género musical mais odiado de todos os tempos. Nós gostamos de disco e explicamos porquê.

MGMT – Little Dark Age (2018)

Ao quarto disco, os MGMT regressam à acessibilidade pop da sua estreia, namorando com o mainstream electro dos anos 80. Podem não ser hoje tão relevantes, mas uma macheia de canções pop quase perfeitas, isso já ninguém nos pode tirar.

Sérgio Godinho – Nação Valente (2018)

No seu novo disco de originais, Sérgio apropria-se de músicas de outros, fazendo-as suas. O canibalismo compensa: Nação Valente é um dos melhores Godinhos dos últimos anos.

Massive Attack – Blue Lines (1991)

Em pleno século XX, Blue Lines inventa o som do século XXI. A receita é simples: música de dança para a cabeça e não para os pés.